Didática Geral

Didática Geral

Guia de Navegação

Direciona para o início do arquivo.

Direciona para página anterior.

Direciona para próxima página.

Direciona para o sumário.

Busca por páginas ou palavras.

Ferramentas

Aciona os recursos de acessibilidade.

Direciona para ajuda com a navegação.

Direciona para a avaliação do material didático.

Ícones

Identifica videos.

Identifica atividades.

Identifica textos que ampliam o conceito destacado.

Identifica a biografia do autor.

Identifica imagens.

Identifica aúdios.

Identifica um livro sugerido para leitura.

Identifica datas.

LINKS :Sempre que uma parte do texto aparecer na cor azul, há um link que leva você para página relacionada com o assunto.

Palavra do Professor-autor

Caríssimos estudantes,

A Didática Geral, como ciência do ponto de vista pedagógico, está presente no ensino, dos diversos cursos desde a graduação até pós-graduações, ou seja, faz parte do currículo dos cursos nas diferentes áreas do conhecimento: jurídico, matemáticas, educação física, entre outras. Vamos investigar o que vem a ser a Didática Geral? Será que esta é um lugar da Pedagogia que enfoca a ação do professor? Ou um procedimento de trabalho em sala de aula? Ou mesmo um instrumental do ato de ensinar?

Nos cursos de formação docente das Instituições de Ensino Superior, a Didática Geral do Ensino Superior é um estudo necessário. Porque é indispensável para exercer a profissão de professores, que tenham habilidades e competências adequadas ao ensino, da educação infantil ao ensino superior. Os conhecimentos didático-pedagógicos, em sala de aula mostram o domínio da formação pedagógica do professor como uma parte indiscutível à sua competência docente.

Autores

João Jóse Saraiva da Fonseca, Pós-doutor em educação pela Universidade de Aveiro em Portugal. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2008). Mestre em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa - Lisboa (1999) (validado no Brasil pela Universidade Federal do Ceará). Especialista em Educação Multicultural pela Universidade Católica Portuguesa - Lisboa (1994). Graduado em Ensino de Matemática e Ciências pela Escola Superior de Educação de Lisboa (validado no Brasil pela Universidade Estadual do Ceará). É pesquisador na área da produção de conteúdo para educação à distância. Pró-Diretor de Inovação Pedagógica das Faculdades INTA - Sobral CE.

Sonia Maria Henrique Pereira da Fonseca, Mestranda em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias-ULHT. Especialista em Ciências da Educação. Especialista em Educação a Distância. Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará-UECE.

Ambientação

Existem indicativos de formatos de ensino desde os primórdios da humanidade. Um exemplo, nas comunidades primitivas os jovens eram sujeitos a rituais de iniciação como forma de ingresso nas atividades da vida adulta. Mesmo que não estivesse presente uma estrutura de Didática Geral com configuração intencional de ensino, pode-se considerar esse ritual uma ação pedagógica. Ao longo dos tempos, as formas de ensino e aprendizagem foram evoluindo e levantaram-se discussões sobre como conceituar a Didática Geral.

Para este estudo, consideramos a aproximação do conceito de Didática Geral a partir de Comenius, em sua obra mais importante, a Didática Geral Magna, onde ele tenta sistematizar o processo de ensino, e afirma, a Didática Geral é a “arte de ensinar tudo a todos” (COMENIUS; GOMES, 1966). Essa declaração se baseava nas teorias de Bacon, assinalava que fazer ciência era simplesmente aplicar o método fundado na observação. Para Comenius significa envolver as diferentes etapas de desenvolvimento da criança e outros condicionantes do ensino. Assim, a Didática Geral ocupa-se das estratégias de ensino, das questões praticadas associadas à metodologia e dos modos de aprendizagem.

Para José Carlos Libanêo, a Didática Geral é uma disciplina pedagógica que estuda os objetos, as condições do processo de ensino, os meios, e o cenário educacional. Porque os conteúdos da disciplina de ensino decorrem da ciência que lhes servem de base, mas a disciplina de ensino implica numa seleção de conhecimentos pautada por critérios pedagógicos e didáticos; do mesmo modo, os métodos da ciência e métodos de ensino são conexos, mas não idênticos, porque a atividade de ensino implica uma relação pedagógica que lhe é peculiar, distinguindo-se daquela que ocorre na atividade científica (LIBÂNEO, 1994).

O ensino está associado ao processo de transmissão de saberes, cabe à Didática Geral adequar os elementos do planejamento de ensino e os procedimentos e técnicas necessários para ensinar. Não basta conhecer bem a ciência, nem os conhecimentos a serem transmitidos, porque o método de ensino decorre do conteúdo e da forma de investigação da ciência que é ensinada. Esta posição mostra um reducionismo do campo de estudos da Didática Geral, tomando-a como disciplina prescritiva de métodos e técnicas.

O professor deve aprender a lidar com a subjetividade humana, sua linguagem, percepções e prática de vida. Sem esta noção, torna-se inábil para desenvolver Didática Gerals articuladas e contextualizadas com os problemas, desafios, questões relacionados aos conteúdos e condição para se conseguir uma aprendizagem significativa. A metodologia do ensino é uma questão metodológica e também a inserção do professor na prática escolar, mediante a pesquisa-ação.

Assim, o fenômeno educativo enquanto ato didático, tem uma pluridimensionalidade, de modo que a Didática Geral não caminha isoladamente no campo dos conhecimentos científicos e não dá conta de resolver seus problemas sem a contribuição de outras ciências da educação. Além disso, a interdisciplinaridade tornou-se hoje um princípio inquestionável na organização do conhecimento e não há razão para que a Didática Geral ignore esta particularidade.

Trocando ideias com os autores

Agora é momento de interagir com alguns autores.

Propomos a leitura de algumas obras.

Didática

Adeus Professor, Adeus Professora?

Guia de Estudo

Após a leitura das obras indicadas, elabore um resumo comparativo entre as colocações dos autores selecionados. Em seguida comente na sala virtual através do fórum de conteúdo.

Indicamos a leitura da obra “Didática” de José Carlos Libâneo, um renomado educador brasileiro, que tem dedicado particular atenção ao estudo da didática e da prática de ensino. A visão crítico-social dos conteúdos escolares que defende, articula uma reflexão crítica sobre a natureza histórico-social dos conteúdos de ensino e a própria didática de transmissão destes conhecimentos, no âmbito de uma metodologia que promova a emancipação histórico-crítica dos discentes no processo de ensino e aprendizagem.

LIBÂNEO, JOSÉ CARLOS. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013. 288 p.

A leitura desta obra traz uma reflexão sobre as mudanças na sociedade e os avanços na tecnologia e na comunicação, que tendem a surgir cada vez mais e assim gerando muitas informações. O livro Adeus Professor, Adeus Professora? relata, como os avanços da tecnologia e comunicações repercutem em toda a área da educação.

LIBÂNEO, JOSÉ CARLOS. Adeus professor, adeus professora?: Novas exigências educacionais e profissão docente. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2004. 104 p

Problematizando

Colocam-se alguns questionamentos a partir da história, que se apresenta a seguir, para fomentar a reflexão sobre o tema desta unidade de estudo.

Era uma vez uma tribo pré-histórica que se alimentava de carne de tigres de dentes de sabre. A educação nesta tribo baseava-se em ensinar a caçar tigres de dentes de sabre, porque disto dependia a sobrevivência de todos. Os mais velhos eram os responsáveis pela tarefa educativa. Passado algum tempo, os tigres de dentes de sabre extinguiram-se, criou-se um impasse: o apego à tradição dos mais velhos exigia que se continuasse a ensinar a caçar tigres de dentes de sabre; os mais jovens clamavam por uma reforma no ensino. O impasse perdurou por muito tempo, mais precisamente até um dia que, por falta de alimento, a tribo extinguiu-se também.

Como devo fazer para que os educandos compreendam o que estou tentando ensinar? O que é a didática? Que conceituações lhes são atribuídas?

Será que a didática contempla a probabilidade de transformar minha aula planejada num espaço de conversação permanente sobre o conhecimento? O diálogo gera o entendimento do estudante sobre o assunto da disciplina?

Didática

1

Conhecimentos

  • Compreender a didática enquanto espaço de reflexão sistemática sobre a prática educativa.
  • Habilidades

  • Identificar sobre o objeto de estudo da didática, analisando as principais tendências pedagógicas da educação.
  • Atitudes

  • Assumir a didática nas diferentes dimensões do processo ensino e aprendizagem.
  • Unidade 1

    Introdução

    A educação é a prática social que acontece nas diferentes instâncias das sociedades, seu objetivo é proporcionar aos seres humanos uma participação nas invenções da civilização enquanto resultado do seu trabalho, bem como, na sua construção e desenvolvimento. Isto porque não existe educação, a não ser vinculada às relações sociais que juntam os homens entre si de modo garantir a sua sobrevivência.

    Assim sendo, a ciência da educação constitui uma tarefa da pedagogia para conhecer e explicitar as diversas configurações que a educação se manifesta, enquanto prática social, bem como, a contribuição que ela pode dar, visando definir rumos para a sociedade. Surge a Didática enquanto ciência, que tem como objeto de estudo o ensino e a aprendizagem. O foco da Didática incide no estudo do conhecimento, dos processos de ensino e aprendizagem, na investigação de possibilidades, de estruturação e funcionamento das diferentes dimensões dos conhecimentos, com objetivo de criar probabilidades de ensinar e aprender.

    A pesquisa Didática deve adaptar os método e as técnicas de maneira a obter o máximo resultado com o mínimo de esforço (princípio comeniano da Didática Magna requisitos objetivos da matéria de ensino e da sua lógica interna que as capacidades subjetivas do aluno e da sua psicologia (LAENG, 1973 p. 128)

    Anote!
    A Didática é um elemento exclusivo da Pedagogia e se refere ao conteúdo do ensino e aos processos próprios para a construção do conhecimento. A Pedagogia é conceituada como a ciência e a arte da educação, enquanto que a Didática é definida como a ciência e a arte do ensino.

    Resumindo

    Análise da existência de coesão entre teoria e prática, deve se considerar o exercício profissional, enquanto prática social, moldada à constituição da mesma. Dessa maneira, a construção de novos conhecimentos, implica em uma ação consciente sobre a realidade, atendendo às finalidades pré-determinadas e considerando a realidade (existente). Procura-se assim conhecer a realidade nas suas determinações, para identificar as possibilidades do novo, resultante do confronto entre o ideal (a realidade que se quer) e o real (o existente).

    As ideias expostas acima são consideradas essenciais para o entendimento do objeto de estudo da Didática e foram apresentadas por Selma Garrido, na sua obra: O Estágio na Formação de Professores: Unidade Teoria e Prática?

    Unidade 1

    Compreender o objeto de estudo da didática, envolve a interiorização de quaisquer propostas didáticas, implicitamente ou explicitamente partem de duas concepções básicas. Por um lado, uma concepção de ensino e aprendizagem que relacione e articule as dimensões: humana técnica e político-social e por outro lado, uma concepção que valorize as diferentes maneiras de ensinar que integram o saber, o fazer e o ser; a racionalidade e a sensibilidade; a teoria e o tecnológico de que resultam em novos modos de pensar e de aprender. O desafio da didática na atualidade é superar a uma dimensão técnica, propondo alterações na maneira de agir e pensar do docente.

    Para Paulo Freire, ensinar é uma forma de intervenção na sociedade, indo mesmo além da simples transmissão de conteúdos, que se limita a reproduzir a ideologia dominante.

    O autor refere ainda que, o professor deverá perceber que sua prática não é neutra, por um lado, não pode deixar de se capacitar para ensinar corretamente e adequadamente os conteúdos da área de conhecimento em que trabalha, mas por outro lado, não pode reduzir a sua prática docente ao puro ensino desses conteúdos. (FREIRE, 1997).

    Esse desafio obriga a escola e o professor a uma permanente busca do sentido e significado para a prática educativa, numa dinâmica em que assumem em conjunto que estão aprendendo e ensinando enquanto professores, na busca permanente de novos saberes. (ALVES; DIMENSTEIN, 2003).

    O professor deve-se constituir enquanto mediador de um processo em que ele e os demais aprendem em conjunto. Nesse contexto tanto o professor, quanto o estudante necessitam recorrer a métodos e técnicas, em virtude do processo de construção do seu próprio saber e exigir análise, síntese, interpretação de dados, fatos e situações, isso para além da experiência de vida.

    Objeto de estudo

    A didática aborda o desenho da arte do ensino, provendo as bases para que os professores possam trabalhar as situações de aprendizados em sala de aula. Mas esta ideia se sintetiza os métodos e técnicas de ensino, limitando o verdadeiro significado da ciência e não a explicando por completo.

    Guia de Estudo

    Guia de Estudo

    Para saber mais leia a pesquisa: “Reflexões sobre questões metodológicas e práticas em pesquisas em educação” realizada por Bernardete Angelina Gatti (2010) que fala sobre o propósito da identificação do campo das pesquisas em educação.

    Unidade 1

    A segunda concepção está associada à perspectiva lógico-cognitiva, tendo como foco as teorizações sobre questões associadas ao ensino das disciplinas. A proposição é de que se diferencie pesquisa de ensino, não devendo a pesquisa conduzir diretamente a recomendações de ações na escola, pelo menos, não antes de se ter racionalmente estabelecido parâmetros epistemológicos seguros para conteúdos em suas especificidades disciplinares.

    A terceira concepção coloca-se do ponto de vista do sujeito que aprende, investigando os processos de apropriação dos saberes e se apoia basicamente na proposta Epistemologia Genética ou Teoria Psicogenética propostas por Jean Piaget, ou na referência sociointeracionista, sociocultural ou sócio- histórica abordada por Lev Vygotsky.

    Nesses subsídios não estão presente uma preocupação explícita com as bases epistemológicas que sustentam os conteúdos do ensino. O foco são os processos de aprendizagem das crianças ou jovens, gerando o que se poderia caracterizar como uma abordagem cognitivista, em que os sujeitos aprendentes são o foco, não o que há para aprender ou o que se considera desejável que aprenda em determinada sociedade por razões históricas. Não há um olhar sobre o valor dos conteúdos, dos saberes em situações sociais determinadas. Apenas o processo do aprender é considerado.

    A quarta concepção parte do pensar as ações educativas, criando conceitos fecundos na relação teoria-prática e produzindo conjuntos instrumentais ancorados em uma reflexão sobre suas utilizações e suas finalidades, em contextos complexamente considerados.

    Esta posição expressa a ideia de que o conhecimento em educação nasce da prática e com a prática deve a ela retornar. Sem o retorno à prática e sem a passagem pela axiologia, o conhecimento se arrisca a ser apenas um “simulacro.” Nesta vertente a pesquisa é concebida, sobretudo como pesquisa-ação, em variadas possibilidades, procurando assegurar uma inter-relação entre a pesquisa formal e os procedimentos da investigação na ação, porém, criando teorizações e fundamentando-as.

    Axiologia:

    Que constitui ou diz respeito a algum valor.

    Mobilizam-se certos conhecimentos que ajudam a compreender situações e criar novos modos de ação. Funda-se sobre a análise do estatuto sócio-histórico o saber a ser ensinado e dos objetivos do próprio ensino, considerando critérios de pertinência e não critérios de legitimidade.

    Guia de Estudo

    Guia de Estudo

    O habitus professoral integra parte do conjunto de elementos que subsidiam a epistemologia da prática. A reflexão apresentada é parte do artigo: “O habitus professoral: o objeto dos estudos sobre o ato de ensinar na sala de aula” de Marilda da Silva, cuja leitura se propõe na apresentação dos resultados de uma pesquisa sobre o conceito intitulado, enquanto caminho teórico-metodológico explicativo dos comportamentos de professores, sobretudo, do redirecionamento do objeto de estudo, do ato de ensinar na sala de aula.

    Sugerimos a leitura e em posterior, o compartilhamento de suas ideias com seus colegas no Ambiente Virtual de Aprendizagem, através da participação no fórum de conteúdos.

    Bons Estudos!

    O papel da didática nas tendências pedagógicas

    Vamos analisar as diferenças existentes entre as tendências pedagógicas conforme a proposta de classificação de Libâneo (1986), que sustentam os pressupostos de aprendizagem na educação do Brasil: a Pedagogia liberal, (Tendência Tradicional, Tendência Renovadora Progressista, Tendência Renovadora não-diretiva, Tendência Pedagogia Tecnicist). Pedagogia Progressista, (Tendência progressista libertadora, Tendência progressista libertária, Tendência progressista "crítico-social dos conteúdos").

    Unidade 1

    A prática escolar está vinculada a condicionamentos de natureza social e política, que obrigam a uma constante reflexão sobre a diferente natureza do papel da escola e da aprendizagem, com reflexos explícitos e implícitos na forma como os professores realizam o seu trabalho na escola. Por intermédio do conhecimento das tendências pedagógicas e dos seus pressupostos de aprendizagem, o docente terá a oportunidade de avaliar os fundamentos teóricos utilizados na sua prática em sala de aula.

    A educação o professor e o educando apresentam-se com diferentes papéis, em cada uma das tendências pedagógicas. A didática tem desempenhado diversificados papéis associadas às inúmeras tendências pedagógicas. Apresentam-se algumas das tendências pedagógicas mais importantes, no âmbito da realidade educacional brasileira.

    Pedagogia liberal

    A Pedagogia Liberal defende a proposta de que a escola tem por função preparar os educandos para o desempenho de papéis sociais, atendendo às suas aptidões individuais. Para que isto ocorra, os indivíduos precisam aprender a adaptar-se aos valores e às normas que normatizam a sociedade de classes, através do desenvolvimento da cultura individual. (LIBÂNEO, 1986).

    Historicamente, a concepção de educação liberal teve início com a consolidação da pedagogia tradicional e, por razões de recomposição da hegemonia da classe burguesa, evoluiu para a pedagogia renovada (também denominada escola nova ou ativa), o que não significou a substituição de uma pela outra, pois ambas conviveram e convivem na prática escolar.

    Tendência Tradicional

    Na Pedagogia Tradicional a função social da escola centra-se na transmissão de conhecimentos disciplinares visando à formação integral dos sujeitos e a sua inserção futura na sociedade. Essa formação apresenta características bivalentes, pois é um tipo de educação onde a escola é apresentada ao povo e à classe dominante.

    O professor é a figura central do processo educativo. Ele se apresenta como o detentor da autoridade, exigindo dos estudantes uma atitude receptiva, passiva, controlando opressivamente os processos de comunicação na sala de aula. As ações do ensino estão centradas em aulas expositivas e transmissão oral dos conteúdos pelo docente, atendendo a uma sequência predefinida e a um rigoroso e inflexível controle do tempo. (LUCKESI, 1994).

    Unidade 1

    Atribui-se particular cuidado à repetição de exercícios enquanto maneira de garantir a memorização dos conteúdos. Os procedimentos didáticos não levam em conta o contexto escolar, nem os problemas reais vivenciados na realidade social dos estudantes.

    A Educação Tradicional incide em particular atenção, em narrar uma verdade a ser absorvida e esvaziada na vivência dos discentes, apresentando o ensino como algo imóvel, estático, compartimentado e obediente. (LIBÂNEO, 1994). Os conteúdos do ensino correspondem aos conhecimentos e valores sociais acumulados pelas gerações anteriores, considerados enquanto verdades acabadas e, apesar da escola procurar oportunizar uma preparação para a vida, não oferece as condições para estabelecer relações entre os conteúdos ensinados e o nível de interesse dos estudantes e, muito menos entre os conteúdos ensinados e os problemas reais que afligem a sociedade.

    A educação assume uma postura “bancária” em que os estudantes recebem dos professores os conhecimentos, o “depósito”, arquivando informações. Ela se constitui numa manifestação instrumental da ideologia da opres¬são e promotora da alienação em que os homens se apresentam como espectadores e não recriadores do mundo. (FREIRE, 2002).

    Postura bancária:

    Conceito criado por Paulo Freire em que o mesmo propunha uma prática de sala de aula que a criticidade dos estudantes seja valorizada, contrario ao tradicionalismo, método didático pedagógico utilizado em grande parte das escolas no Brasil, por ele intitulado de “Educação bancária”.

    Atendendo ao que foi afirmado, a educação bancária está associada a um conjunto de pressupostos (FREIRE, 1992). Segue abaixo para melhor entendimento:

    Educador Educando
    Quem educa; São educados;
    Que pensa; Os pensados;
    Quem fala; Só escutam;
    Quem disciplina; Os disciplinados;
    Opta e prescreve sua opção; Seguem a prescrição;
    Quem atua; Têm a ilusão que atuam;
    Escolhe o conteúdo Programático; Jamais ouvidos nesta escolha;
    Autoridade do saber; Devem adaptar-se as determinações;
    Sujeito do processo Meros objetos

    Unidade 1

    Apresenta-se com base em Bordenave e Pereira (1991), uma sistematização das consequências da Pedagogia Tradicional, tanto em nível individual quanto social.

    1. Em nível individual:
      • Individualismo e falta de participação e cooperação;
      • Falta de conhecimento da própria realidade;
      • Inadaptação cultural, com adoção de padrões de pensamento e comportamento estrangeiros;
      • Aceitação passiva de processos de exclusão e divisão social.
    2. Em nível social:
      • Prevalência da memorização;
      • Passividade e falta de atitude crítica;
      • Acrítica sobre as fontes de informação;
      • Preferência pela especulação teórica e consequente distância com a prática;
      • Não problematização da realidade.

    Tendência Renovadora Progressista

    A Pedagogia Renovada Progressista inclui várias correntes que assumem como eixo central a valorização da educação, enquanto espaço de fomento no individuo das condições para a resolução por si própria dos seus problemas do cotidiano, não se limitando a uma postura simplesmente contemplativa.

    Tendo como ponto de referência a pedagogia tradicional, o foco da atividade escolar deixa de ser o ensino pelo professor e os conteúdos disciplinares, para passar a ser o processo de aprender a aprender do estudante, enquanto ser ativo e curioso. (LUCKESI, 1994).

    O processo de ensino procura oferecer condições favoráveis ao autodesenvolvimento do discente e estimular a sua curiosidade (SAVIANI, 1985). O professor deve organizar e coordenar as situações de aprendizagem, procurando adaptar permanentemente as suas ações às características individuais dos discentes.

    Dessa forma, abre caminho para que o processo de demanda pelo conhecimento parta de forma livre e espontânea, dos próprios estudantes e promove o desenvolvimento das suas capacidades e habilidades intelectuais.

    Unidade 1

    John Dewey

    A escola nova é uma das correntes mais conhecidas da pedagogia renovada progressista e John Dewey, um de seus autores mais conhecidos. Propôs a educação pela ação (aprender fazendo) em que o conhecimento não tem um fim em si mesmo, devendo ser direcionado para a experiência. Tendo o conceito de experiência como elemento fulcral de seus pressupostos, a escola não pode se assumir enquanto uma preparação para a vida, mas se afirmar enquanto a própria vida. O filósofo ressalta o valor das atividades que colocam problemas concretos para serem resolvidos. A aprendizagem deverá ser uma atividade basicamente coletiva, assim como também deverá ser coletiva a produção do conhecimento. O trabalho desenvolve o espírito de comunidade e a divisão das tarefas estimula a cooperação e a criação de um espírito social, enquanto subsídio para uma vida em democracia.

    O processo de ensino-aprendizagem para Dewey seria subsidiado em:

    - Uma compreensão de que o saber é constituído por conhecimentos e vivências que se interligam de forma dinâmica, afastada da previsibilidade das ideias passadas;
    - Estudantes e professores com experiências próprias anteriores e cujas competências são incorporadas no processo. O professor possui uma perspectiva sintética dos conteúdos, os estudantes uma perspectiva sincrética, o que transforma a experiência em um ponto nuclear na formação do conhecimento, bem mais do que os conteúdos formais. (ZACHARIAS, 2005).

    Willian Kilpatrick

    Willian Kilpatrick é o idealizador da pedagogia de projetos, baseada na importância do espaço escolar, o estudante realiza projetos a partir de propósitos pessoais. Isto porque unicamente uma atividade aceita e projetada pelos alunos pode fazer da vida escolar uma vida que eles sintam que vale a pena viver. (KILPATRICK, 1974).

    Propõe que todas as atividades escolares se realizem por meio de projetos, subsidiados por problemas reais vivenciados no dia a dia do estudante. Kilpatrick (1974) classificou os projetos em quatro grupos: o de produção que resulta um produto; o de consumo que se utiliza algo já produzido; de resolução de problemas e por último, de aperfeiçoamento de técnicas de aprendizagem.

    Segundo o autor, um projeto deve considerar três princípios:

    I - o projeto resulta de uma situação problemática que desperta o interesse do estudante de maneira que a deseje resolver;

    II - a experiência real anterior é suporte essencial para a garantia do sucesso;

    III - o projeto deve ser trabalhado em conjunto com múltiplas pessoas, promovendo desse modo a convivência social. (KILPATRICK, 1974).

    Unidade 1

    Ovide Decroly

    Para Ovide Decroly a escola em vez de somente proporcionar aos conhecimentos visando a sua formação profissional, deverá também estar centrada no estudante com particular objetivo em prepará-lo para a vida em sociedade.

    A proposta mais conhecida de Decroly é a ideia de globalização de conhecimentos (inclui o chamado Método global de alfabetização) e os centros de interesse.

    O princípio de globalização de Decroly propõe que o individuo apreende a realidade que o rodeia tendo como suporte uma visão do todo e de que este futuramente pode se organizar em partes. Como reflexo desta ideia, Decroly propõe que a aprendizagem da leitura, comece não do conhecimento isolado de sílabas e letras, mas nas atividades de associação de significados, de discursos completos.

    Os Centros de interesse são grupos de aprendizado organizados de acordo com as faixas de idade dos estudantes. Eles também consideram como base para a classificação, as etapas da evolução neurológica infantil e o convencimento de que os estudantes chegam à escola com as condições biológicas suficientes para procurar e desenvolver os conhecimentos de seu interesse.

    Maria Montessori

    O trabalho de Maria Montessori teve como prioridade os anos iniciais da vida de criança. Para a autora, a criança se constitui enquanto um ser humano integral, desde o seu nascimento. Por isso ela defende que as necessidades e os interesses de cada estudante devem ser respeitados, atendendo aos estágios de desenvolvimento correspondentes às suas faixas etárias. Montessori argumentava a necessidade do seu método não contrariar a natureza humana, sendo assim os estudantes conduzem o próprio aprendizado, sendo tarefa do professor acompanhar o processo e identificação da maneira particular, de cada um manifestar seu potencial.

    Desenvolveu pesquisas na educação, seus trabalhos centravam-se na ideia de que a criança pudesse se dominar a si própria e ao espaço que a rodeia e a educação pelo movimento que procurava respeitar as necessidades e os mecanismos evolutivos do desenvolvimento.

    Unidade 1

    Tendência Renovadora Não-Diretiva

    A Tendência do Não-Diretivismo tem como precursor mais conhecido Carl Rogers. Assume como princípio norteador de valorização do indivíduo enquanto um ser livre, ativo e social. O centro da atividade escolar não pode ser caracterizado enquanto ensino no professor, ou mesmo nos conteúdos disciplinares. O centro da atividade escolar se revela enquanto um espaço onde o discente tem a oportunidade de ser ativo e curioso, ativamente envolvido num processo de aquisição do saber. Para Rogers, se tratando de aprender a aprender, o mais importante é o processo de aquisição do saber. O processo de busca pelo conhecimento deve partir do estudante. O professor apenas facilita o desenvolvimento livre e espontâneo desse indivíduo, devendo organizar e coordenar as situações de aprendizagem, adaptando as suas ações às características individuais dos estudantes, proporcionando as condições para que possam desenvolver competências. O professor deve para isso motivar os estudantes, despertando neles a busca pelo conhecimento e o alcance das metas pessoais e de aprendizagem. (LIBÂNEO, 1986).

    Tendência Pedagogia Tecnicista

    A Pedagogia Tecnicista enfatiza a rigorosa programação dos passos para se adquirir o conhecimento, bem como austera programação das técnicas e dos procedimentos pedagógicos. Ela privilegia o planejamento, a organização, a condução e o controle, intensifica a burocratização e a divisão do trabalho que termina submetendo o plano pedagógico ao administrativo: os técnicos são responsáveis pelo planejamento e controle; o diretor da escola é o intermediário entre eles e os professores que são reduzidos a meros executores.

    A Pedagogia Tecnicista teve como fonte de inspiração as teorias behavioristas da aprendizagem, desenvolvidas por diversos autores que se destaca Skinner. Trabalhando com uma eficiente articulação entre estímulos e recompensas, essa pedagogia tentava condicionar o estudante a emitir as respostas esperadas pelo professor. A prática pedagógica revela-se extremamente controlada e dirigida, com atividades mecânicas no âmbito de uma proposta educacional rígida e passível de ser programada em detalhes pormenorizados. Os conteúdos de ensino seguem uma sequência lógica e psicológica definida por especialistas. Elimina-se qualquer princípio de subjetividade, sendo privilegiado o conhecimento observável e mensurável. Na pedagogia por condicionamento compete à escola organizar o processo de aquisição de competências (habilidade, atitudes e conhecimentos específicos), úteis e necessários para que os indivíduos sejam integrados na ordem social vigente. A educação escolar funciona como modeladora do comportamento, oportunizando ao mercado de trabalho, indivíduos tecnicamente competentes. (LUCKESI, 1994).

    A Tendência Tecnicista apresenta uma proposta educacional suportada nos seguintes pontos: 1 - Planejamento e organização racional da atividade pedagógica; 2 - Operacionalização dos objetivos; 3 - Parcelamento do trabalho, com a especialização das funções e 4 - Motivação à utilização de variadas técnicas e instrumentos, como instrução programada e máquinas de ensinar, buscando possibilitar uma aprendizagem “crescentemente objetiva”.

    A partir de Luckesi (1994), podem-se apresentar algumas das consequências da Pedagogia Tecnicista.

    Unidade 1

    1 - Nível individual

    O estudante veicula as respostas que o sistema lhe permitir. Não se questiona sobre os objetivos ou os métodos, nem participa de sua seleção, não tem a oportunidade para criticar as mensagens ou os conteúdos programáticos. A natureza e a oportunidade dos reforços são definidas pelo programador do sistema, e a tendência ao individualismo sai reforçada, exceto quando o programa estabelece oportunidades de coparticipação. Neste nível, o estímulo à competitividade é reforçado, em virtude do estudante adquirir mais rápido um status elevado e poder acessar os materiais anteriores e a originalidade da criatividade dos sujeitos na tendência vem a ser reduzir, em virtude das respostas corretas serem pré-estabelecidas.

    2 - Nível social

    Há uma maior incidência na produtividade e eficiência, do que na criatividade e originalidade, uma dependência de fontes externas para a definição de objetivos, métodos e reforços, assim como a falta de desenvolvimento, de consciência crítica e cooperação. No Nível Social, há suscetibilidade à manipulação ideológica e tecnológica e ausência da dialética “professor-conteúdo”, com a exceção de eventuais sessões de reajustes. Contudo, nesse nível, há uma tendência ao conformismo em virtude da tendência para a eficiência e o utilitarismo.

    Pedagogia Progressista

    O termo "progressista" é usado para designar as tendências que, partindo de uma análise crítica das realidades sociais, sustentam implicitamente as finalidades sociopolíticas da educação.

    Tendência Progressista Libertadora

    Paulo Freire surge como inspirador e mentor da Tendência Progressista Libertadora. Para ele, a educação se relaciona dialeticamente com a sociedade, questionando concretamente a realidade das relações do homem com a natureza e com os outros homens, constituindo-se em um importante instrumento no processo de transformação da mesma. Nessa concepção, o homem é considerado um ser localizado num mundo material, concreto, econômico, social e ideologicamente determinado. Assim, a escola deve ser valorizada como instrumento de luta das camadas populares, oportunizando o acesso ao saber historicamente acumulado pela humanidade, filtrado pela realidade social na qual o estudante está inserido. Seu principal determinante é elevar o nível de consciência a respeito da realidade que o cerca, para torná-lo capaz de atuar no sentido de busca pela sua emancipação econômica, política, social e cultural.

    Dialeticamente:

    O princípio da Dialética pode ser descrita como função ou a arte do diálogo. Uma contraposição de ideias e argumentos em defesa de um ponto de vista, ou uma tese.

    Unidade 1

    Para transformar essa realidade, revela-se prioritária a busca do conhecimento, apresentada enquanto atividade inseparável da prática social. Para tal não pode se subsidiar no acúmulo de informações, mas, envolver, numa reelaboração mental, revelada em forma de ato sobre o mundo social.

    Os conteúdos de ensino são designados de temas geradores e resultam da problematização da prática vivida pelos estudantes, da qual se deve distanciar para poder ter as condições para analisar criticamente. O importante não é a transmissão de conteúdos específicos, mas despertar uma nova forma da relação com a experiência vivida.

    A Tendência Progressista Libertadora não aceita os conteúdos tradicionais, porque não emergem do saber popular. Cada grupo envolvido na ação pedagógica apresenta intrinsecamente, ainda que, de maneira rudimentar, os conteúdos suficientes para iniciar o estudo. Os conteúdos a trabalhar, deverão ser redigidos pelos próprios estudantes com as orientações do educador. Esse processo exige entre discentes e docentes uma relação aprimorando diálogo mediatizado pelo objeto a ser conhecido e ambos se posicionam como sujeitos do ato de conhecimento. Para além da dispensa de um programa previamente estruturado, recusam-se trabalhos escritos e aulas expositivas, sendo o "grupo de discussão” a forma de trabalho mais usada na tendência progressista libertadora, animado pelo professor. Este tem de caminhar junto com os estudantes e deve se adaptar às características e ao desenvolvimento próprio de cada grupo.

    A Tendência Progressista Libertadora associa qualquer tipo de verificação direta da aprendizagem à educação bancária e por esse motivo a recusa. Admite, contudo, a avaliação da prática vivenciada entre estudante e professor no grupo, bem como, a autoavaliação se realizada considerando os compromissos assumidos com a prática social. (LIBÂNEO, 1986).

    Tendência Progressista Libertária

    A Tendência Progressista Libertária procura se apresentar enquanto uma maneira de resistência à burocracia dominadora do Estado, que controlando, por exemplo: professores, programas e provas, etc., retira a autonomia à escola. Valoriza a experiência de autogestão, autonomia e não-diretividade que em conjunto, de acordo com as suas propostas, devem resumir quer o objetivo pedagógico, quer o objetivo político da educação. Nessa tendência, a ideia de conhecimento, surge associada à descoberta de respostas que possam atender às exigências da vida social. Rejeita assim a investigação cognitiva de fatos reais, para procurar revelar um sistema qualquer de representações mentais.

    Ela recusa qualquer forma de poder ou autoridade. Por isso procura conduzir a relação professor-estudante no sentido da não-diretividade, considerando a ineficácia e a nocividade dos métodos que transformam o docente em objeto. A escola instituirá, com base na participação grupal, mecanismos institucionais de mudança (assembleias, conselhos, eleições, reuniões, associações etc.), visando exercer uma transformação na personalidade dos educandos e que atuando nessas instituições a partir dos níveis subalternos, vai posteriormente influenciar todo o sistema.

    Unidade 1

    A Tendência Progressista Libertária ressalta o processo de aprendizagem grupal, quando comparado com os conteúdos de ensino. O professor é um catalisador que se insere no grupo para oportunizar as condições para uma reflexão em comum, num processo em que o desenvolvimento individual somente se realiza no coletivo.

    Os conteúdos verdadeiramente importantes resultam das necessidades e interesses manifestos pelo grupo e frequentemente terminam não correspondendo aos conteúdos tradicionais. O destaque é dado à aprendizagem informal realizada no âmbito do grupo, e à negação de toda forma de repressão procurando desse modo favorecer o desenvolvimento de indivíduos mais livres. Ressalta-se o conhecimento que resulta das experiências vividas pelo grupo, especialmente a vivência de mecanismos de participação crítica, que permitam a cada um de seus membros, o atendimento de suas aspirações e necessidades. Particularmente relevante para o desenvolvimento das ideias da Tendência Progressista Libertária foi o trabalho de Celestin Freinet. (LIBÂNEO, 1986).

    Tendência Progressista "Crítico-Social dos Conteúdos"

    A Tendência Progressista "Crítico-Social dos Conteúdos" afirma que a escola para eliminar a seletividade social e se tornar democrática, deve ser valorizada enquanto instrumento de apropriação do saber. Sendo a escola constituinte inseparável do todo social, promover transformações dela, resulta obrigatoriamente em agir no rumo da transformação da sociedade. Entendida nesse sentido, a educação é uma atividade mediadora no âmbito da prática social global, o mesmo é afirmar, uma das mediações pela qual o discente, pela intervenção do docente e por sua própria participação ativa, passa de uma experiência primeiramente confusa e fragmentada, a uma visão mais organizada e unificada. O estudante, por intermédio de sua experiência imediata num contexto cultural, participa na busca da verdade, ao confrontá-la com os conteúdos e modelos apresentados pelo professor.

    A Tendência Progressista "Crítico-Social dos Conteúdos" apresenta uma vincada preocupação com a importância do domínio dos conteúdos científicos (por parte dos professores e estudantes), enquanto condição para uma participação efetiva nas lutas sociais. Esses conteúdos não deverão ser abstratos, mas concretos e indissociavelmente legados à realidade social. Os conteúdos ensinados devem estar ligados de forma inseparável à sua significação humana e social. Para que isto ocorra, constitui tarefa do professor selecionar os conteúdos mais significativos para o estudante, os quais passam a contribuir na sua formação profissional. Porém, não é suficiente que os conteúdos sejam bem ministrados, e sim que apresentem uma significação humana e social. Procura-se desse modo a inserção do estudante no contexto social e em suas contradições, oportunizando um instrumental para garantir sua participação organizada e ativa na democratização da sociedade.

    Contudo, se o objetivo da Tendência Progressista "Crítico-Social dos Conteúdos" é privilegiar a aquisição de um saber vinculado às realidades sociais, é necessário por um lado, que os métodos oportunizem as condições para uma ajustada correspondência entre os conteúdos e os interesses dos discentes e, por outro lado que estes reconheçam os conteúdos como um auxílio no seu processo de compreensão da realidade social.

    Assim, os métodos da pedagogia crítico-social dos conteúdos não partem de um saber artificial, depositado a partir do exterior, nem do saber espontâneo. Eles devem estabelecer uma relação direta entre a experiência já construída e confrontada com o seu saber vivenciado nos conteúdos propostos pelo professor. O assumir de novos paradigmas, só será possível com a introdução explícita pelo professor dos novos elementos de análise a serem aplicados criticamente à prática do estudante, num processo em que se procura a unidade entre teoria e prática.

    No desenvolvimento das ideias da Tendência Progressista "Crítico-Social dos Conteúdos", participaram autores como Mário Manacorda e particularmente Georges Snyders. (LIBÂNEO, 1986).

    Unidade 1

    Tendências Conteúdo de Ensino Método Relação Professor-Aluno
    Tradicional Prioriza conhecimentos herdados e transmitidos pela geração adulta. Expositivo: Preparação do conteúdo, apresentação, associação, generalização e aplicação em exercícios e atividades. O professor: postura autoritária, ele é o transmissor do conhecimento.
    O estudante: mero ouvinte, onde a relação é centrada no professor.
    Renovada Progressista A importância recai sobre as experiências vivenciadas, os desafios cognitivos e as situações problema. O processo de aquisição de conhecimentos é menos relevante que a metodologia aplicada. Ativo. Deve-se aprender fazendo. Pesquisar, trabalhar em grupo, resolver problemas, propor soluções, estudar o meio ecológico e social, etc. Relação democrática: o professor é um facilitador da aprendizagem do aluno.
    Renovada Não-Diretiva A ênfase é dada no desenvolvimento das relações e das comunicações. Incentivo aos alunos para que busquem por si mesmos, seu próprio conhecimento. Terapêutico: o papel do professor é o de facilitador da aprendizagem. Uso de técnicas de sensibilização é ênfase na melhoria do relacionamento interpessoal. Relação humana: o professor não deve dirigir o aluno no que tange as atividades. A relação é centrada no aluno.
    Tecnicista Voltada para a preparação técnica a fim de que o aluno possa responder adequadamente ao sistema social, global e ao mercado de trabalho. Método científico de Spencer: metodologia tecnicista e abordagem sistêmica. Uso de instrução programada, planejamento, recursos audiovisuais, etc. Técnica-diretiva: relações estruturadas-objetiva, com papeis bem definidos.
    Professor: administrador, Aluno: ser que responde. A relação é centrada no controle das condições.
    Libertadora Tem um caráter político, eu incorpora a realidade vivencial do aluno como ponto de partida para a seleção dos conteúdos da ação educativa. Dialogicidade: trabalho em grupo de discussão e conscientização. Não-diretividade; Os alunos são sujeitos ao ato do conhecimento. Professor favorece a aproximação da consciência. A relação é centrada nas relações interpessoais.
    Libertaria O Conteúdo emerge dos interesses dos alunos, não é pré-determinado. Autogestão da experiência do grupo: formas de participação e de expressão pela palavra, mediante organização e execução do trabalho. Não-diretiva: o professor é o orientador e catalisador do processo, junto ao grupo gera reflexões. Não há centralidade.
    Crítico-Social dos Conteúdos Há conteúdos determinados que são escolhidos a partir de bens culturais da humanidade, com funções formativas e instrumentais. Participativo e fundamentado no saber universal: vínculo teoria e prática. Interação diretiva: troca entre professores e alunos. Professor: mediador e intervencionista. Aluno: confronta sua experiências com os conhecimentos selecionados pelo professor. A relação é centrada nos conteúdos de ensino.

    Metodologias de Ensino

    2

    Conhecimentos

  • Conhecer as concepções do ensino e os modos de intervenção didática do professor.
  • Habilidades

  • Identificar os métodos e técnicas para aplicar nos procedimentos didáticos.
  • Atitudes

  • Assumir a prática docente face as diferentes propostas metodológicas.
  • Unidade 2

    A Metodologia

    A Metodologia constitui o estudo dos métodos, é o conjunto das ações de investigação das diversas ciências, quanto aos seus fundamentos e validade, diferenciando-se das técnicas que são aplicações exclusivas dos métodos.

    A Didática enquanto ciência existe uma conexão entre os métodos próprios da ciência que dão suporte ao objeto de ensino e os métodos de ensino.

    Portanto, a metodologia pode ser compreendida no âmbito geral considerando os diversos métodos: métodos tradicionais, métodos ativos, métodos da descoberta e método de solução de problemas.

    As metodologias específicas são aquelas que tratam dos procedimentos de ensino e estudo das disciplinas do currículo escolar, como exemplo: Matemática, História, Português e outras que estão à disposição do professor. Nesse caso cabe ao professor definir os critérios para selecionar os métodos e técnicas de ensino, antes de elaborar sua proposta didática pedagógica com intenção de possibilitar ao estudante a construção do conhecimento.

    Alguns critérios são considerados básicos, tais como: ajuste dos objetivos definidos ao processo de ensino e aprendizagem; a natureza do conteúdo a ser ensinado; a natureza da aprendizagem que se procura que o educando se solidifique; considerando as características apresentadas pelos estudantes: idade, desenvolvimento mental, interesse, expectativas de aprendizagem; condições físicas disponíveis e o tempo atribuído.

    As técnicas e outros elementos de ensino são recursos e complementos da metodologia que promovem a ação e reflexão sobre a sua neutralidade. Os métodos e técnicas de ensino não são neutros, em virtude de serem suportados por referenciais teóricos implícitos, que determinam a prática docente e a intenção dos docentes ao escolherem os métodos que serão empregados na sua atuação docente.

    Guia de Estudo

    Guia de Estudo

    Elabore um resumo, identificando os temas fundamentais da Didática.

    Conhecendo as Metodologias de Ensino

    O processo de ensino se caracteriza pela combinação de atividades do professor e dos estudantes. O direcionamento a esse processo está associado com o planejamento pelo professor no desenvolvimento das aulas envolvendo: a definição dos objetivos, a seleção dos conteúdos e os métodos do ensino. (LIBÂNEO, 1994).

    Os métodos de ensino se constituem enquanto sequência de operações, com vistas a um determinado resultado que se espera. São fundados na relação entre os objetivos e os conteúdos, e determinam a forma como devem alcançar, por intermédio do processo de ensino e os objetivos definidos pelo professor. A seleção dos métodos e técnicas utilizados no processo ensino-aprendizagem não é neutra, obrigando à opção por pressupostos teóricos implícitos. O método expressa também uma visão global da relação do processo educativo com a sociedade, atendendo aos seus desígnios sociais e pedagógicos, assim como as expectativas de formação dos estudantes perante as exigências e desafios que a realidade social levanta. (LIBÂNEO, 1994).

    Os métodos de ensino são as ações do professor por intermédio das suas atividades com os estudantes, procurando atingir os objetivos do trabalho docente, considerando um conteúdo específico.

    Existem variadas maneiras de classificar os métodos de ensino e por sua vez, cada método tem técnicas que lhes são mais ajustadas. No sentido de procurar uma correlação entre algumas técnicas e métodos de ensino, apresenta-se uma sistematização da classificação dos métodos adaptada de Carvalho (1973). Como se pode verificar nas próximas unidades de estudo.

    Unidade 2

    Métodos Individualizados de Ensino

    Dentre os métodos estudados, temos os Individualizados de Ensino neles podemos destacar:

    AULA EXPOSITIVA: Consiste na apresentação oral de um tema logicamente estruturado. Com a utilização desse método, temos a exposição dogmática, aberta ou dialogada dos conteúdos. A mensagem a ser transmitida não pode ser considerada devendo ser repetida por ocasião das provas de verificação. Por ser dialógica, a mensagem do professor é simples pretexto para desencadear a participação, podendo haver contestação, pesquisa e discussão.

    ESTUDO DIRIGIDO: A proposta é fazer com que os estudantes estudem a partir de um roteiro elaborado pelo professor, o qual estabelece a profundidade do estudo. Nesse método, há leitura de textos e manipulação de matérias ou construção e observação de objetos, fatos ou fenômenos na busca de conclusões.

    Saiba mais

    Saiba mais

    MÉTODO MONTESSORI: sua concepção de educação está baseada nos princípios biológicos do desenvolvimento, num sistema didático que concebe o homem e o mundo de uma perspectiva vitalícia. A educação dos sentidos, por meio da realização de jogos sensoriais e uso de material didático-pedagógico próprio, como por exemplo, a educação do movimento por meio da prática de exercícios físicos e rítmicos e do exercício de linha, educação da inteligência por meio de lições e exercícios, de vida prática sistemática e de aula do silêncio, visando desenvolver a capacidade de atenção, autodisciplina e a percepção auditiva. Esse método é guiado pelos princípios de liberdade, atividade, vitalidade e individualidade.

    CENTRO DE INTERESSE: Concepção também fundada na Biologia percebe a educação como manutenção e conservação da vida. Seguida por alguns princípios como autoeducação; uma escola para a vida e pela vida; orientações de classes homogêneas de acordo com o ritmo de aprendizagem dos estudantes; redução do número de alunos por classe; consideração aos interesses naturais das crianças e às condições locais; centros de interesse.

    Métodos Socializados de Ensino

    USO DE JOGOS: Atividade física ou mental, organizada por um sistema de regras, é natural do ser humano inserindo-se na ludicidade humana e estimulando-a. Regida pelos princípios de mobilização dos esquemas mentais de forma a acionar as funções psiconeuróticas e as operações mentais estimulando o pensamento, além de integrar as dimensões afetivas, motoras e cognitivas da personalidade, correspondendo a um impulso natural do estudante, seja ele criança ou adulto, pois o ser humano apresenta uma tendência lúdica. Absorve o jogador de forma intensa e total, criando um clima de entusiasmo.

    DRAMATIZAÇÃO (Role-playing): Representação pelos estudantes de um fato ou fenômeno, de forma espontânea ou planejada. Este princípio leva o estudante a concretizar uma situação-problema, contribuindo para aumentar o nível de motivação, ajuda a desenvolver a capacidade dos estudantes de colocarem imaginariamente um papel que não é o próprio.

    TRABALHO EM GRUPO: Oportunidade para o diálogo, a troca de ideias e informações. É regido pelos princípios de facilitação da construção do conhecimento, possibilitando a prática da cooperação para conseguir um bem em comum. Além de favorecer a formação de certos hábitos e atitudes de convívio social, coopera com a união de esforços para que o objetivo comum possa ser atingido, planeja em conjunto as etapas de um trabalho dividindo tarefas e atribuições, tendo em vista a participação de todos, expondo suas ideias e opiniões sucintas, de forma a serem compreendidas, aceitando e fazendo críticas construtivas e, sobretudo ouvindo com atenção os colegas, esperando a vez de falar, respeitando a opinião alheia e por último, aceitar a decisão quando ficar resolvido que prevalecerá a opinião da maioria.

    ESTUDOS DE CASO: Apresentação de uma situação real aos estudantes dentro do assunto estudado, para que analisem e, se for necessário, proponham alternativas de solução. Facilita a construção do conhecimento, permite a troca de ideias e informações de seus princípios.

    Unidade 2

    ESTUDO DO MEIO: Técnica que permite o estudo de forma direta, o meio natural e social que circunda e do qual participa. Seus princípios são o de facilitar a construção do conhecimento e permitir a troca de ideias e informações, criando condições para que o aluno entre em contato com a realidade circundante, promovendo o estudo dos seus vários aspectos de forma direta, objetiva e ordenada. Ainda, propicia a aquisição de conhecimentos geográficos, históricos e econômicos, sociais, políticos, científicos, artísticos, etc. De forma direta por meio da experiência vivida, desenvolve assim, habilidades de entrevistar, coletar dados, analisar, sintetizar e tirar conclusões.

    Métodos Sócio individualizados de ensino

    MÉTODO DA DESCOBERTA: Proposição aos estudantes de uma situação de experiência e observação, para que eles formulem por si próprios conceitos e princípios, utilizando o raciocínio indutivo. Seus princípios consistem no uso de procedimentos indutivos, participação ativa e vê o erro como fonte de aprendizagem.

    MÉTODO DA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS: Apresentação do estudante, a uma situação problemática, para que ele proponha uma situação satisfatória, utilizando os conhecimentos que já dispõe ou buscando novas informações por meio da pesquisa. Estimular a participação do educando na construção do conhecimento, desenvolvendo raciocínio, favorecendo a aquisição de conhecimentos e a transferência de aprendizagens desenvolvendo a prática pela iniciativa de busca.

    MÉTODO DE PROJETOS: O ensino realiza-se por meio de amplas unidades de trabalho, estas com uma finalização em vista e supõe a atividade proposta do estudante. Desenvolve o raciocínio aplicado à vida real, buscando soluções de um problema a integração do pensamento, sentimento e ação dos educandos a partir da realidade, a globalização do ensino.

    UNIDADES DIDÁTICAS: Organização e desenvolvimento do ensino por meio de unidades amplas, significativas e globalizadas de conhecimentos. Promoção e aquisição de conhecimentos de forma globalizada, estruturada e ordenada, permitindo o estudante construir o saber como um todo orgânico, estimulando o pensamento lógico e a atividade reflexiva do educando.

    Saiba mais

     Saiba mais

    MOVIMENTO FREINET: Movimento de caráter comunitário e cooperativo, procurando a elaboração, pelo conjunto do grupo docente, dos próprios instrumentos de trabalho, de acordo com o meio em que está inscrito e visando aperfeiçoar a prática docente. Seus princípios giram em torno da realização de um trabalho educativo que incentive os educandos a falar e escrever melhor e de forma mais fluente.

    Unidade 2

    Modalidades Básicas Técnicas Aplicações
    INDIVIDUALIZANDO ESTUDO DIRIGIDO Estimular método de estudo e pensamento reflexivo, Conduzir à autonomia intelectual e atender à recuperação de estudos.
    INSTRUÇÃO PROGRAMADA Apresentação de informações em pequenas etapas e numa sequencia lógica. Atribui recompensa imediata e reforço. Proporciona que o estudante progrida no seu ritmo individual.
    ESTUDO DE CASO Troca de ideias e opiniões face a face, resolução de problemas, procura de informações, assumir de decisões.
    PAINEL Definir pontos de acordo e desacordo. Debate, consenso e atitudes diferentes (assuntos polêmicos)
    PAINEL INTEGRADO Troca de informações. Integração total (das partes num todo). Novas oportunidades de relacionamento.
    SOCIALIZADO GRUPO DE COCHICHO Troca de informações.
    Funciona como meio de incentivo. Facilita a reflexão.
    DISCUSSÃO DIRIGIDA Solução conjunta de problemas.
    TEMPESTADE DE IDÉIAS OU BRAINSTORMING Criatividade e Participação
    SEMINÁRIO Estudo aprofundado de um tema. Coleta de informações e experiências. Pesquisa, conhecimento global do tema. Reflexão crítica.
    SIMPÓSIO Divisão de um assunto em partes visando o seu estudo.
    Apresentação de ideias de maneira autêntica.
    O grande grupo confere o que foi apresentado.
    GRUPO NA BERLINDA Verbalização.
    Objetividade na discussão de ideias.
    Capacidade de análise e síntese.
    ENTREVISTA Troca de informações.
    Apresentação de fatos, opiniões e pronunciamentos significativos.
    DIÁLOGO Intercomunicação direta.
    Exploração pormenorizada de diferentes pontos de vista.
    PALESTRA Exposição mais informal de ideias relevantes.
    Sistematização do conteúdo.
    Comunicação direta com a totalidade dos discentes do grupo.
    DRAMATIZAÇÃO Representação de situações da vida real.
    SÓCIO-INDIVIDUALIZADO MÉTODO DE PROJETOS Possibilita a realização de ações concretas.
    Motiva a resolução de problemas.
    Relacionado a trabalho em grupo e atividades individuais.
    RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Desenvolve os pensamentos reflexivos e científicos.

    Os métodos de ensino são as ações do professor por intermédio das suas atividades de ensino e dos estudantes procurando atingir os objetivos do trabalho docente considerando um conteúdo específico.

    Planejamento Pedagógico

    3

    Conhecimentos

  • Conhecer os fundamentos teóricos do planejamento de ensino.
  • Habilidades

  • Aplicar as concepções teóricas de organização do ensino, necessárias à ação pedagógica e didática na prática de ensino.
  • Atitudes

  • Assumir a prática docente a partir dos referenciais teóricos do planejamento na ação pedagógica.
  • Unidade 3

    Introdução

    O planejamento envolve a análise de uma realidade, a reflexão sobre as condições nela existentes e a previsão de processos de intervenção, visando superar as dificuldades ou atingir os objetivos ambicionados. O plano tem a conotação de produto do planejamento. Na educação, pode-se falar que o planejamento é um processo de racionalização, organização e coordenação de ações, que permitam a concretização de objetivos que envolvam e articulem a atividade escolar e a problematização do contexto social. O plano de ensino é um guia organizado em unidades didáticas para um período de tempo e utilizado para o registro de decisões: o que se pensa fazer? Como se vai fazer? Quando? Com o quê? Com quem se vai fazer? (LIBÂNEO, 1994).

    O planejamento pedagógico ocorre na escola, é uma ação de responsabilidade do professor que inclui a previsão das atividades didáticas, além de planejar as ações docentes, também é um momento de pesquisa e organização dos aspectos que serão avaliados no decorrer da ação docente.

    Portanto, o planejamento pedagógico na escola prevê o processo de racionalização, organização e coordenação da ação docente, em articulação à atividade docente e o contexto social.

    Vale advertir, que tudo que ocorre no cenário escolar está recheado de influencias econômicas, políticas e culturais, isto quer dizer que os elementos que constituem a escola são influenciados diretamente pela sociedade. Assim, o planejamento não se trata apenas de preencher formulários para o acompanhamento do coordenador pedagógico da escola. O planejamento escolar tem a função de explicitar princípios, diretrizes e procedimentos que assegurem a conexão entre as atividades da escola e as exigências da sociedade atual que exige participação democrática.

    Para saber mais
    Refletir sobre a trajetória histórica do planejamento, implica reconhecer que a atividade de planejar é essencialmente humana, demandando reflexão e intencionalidade. Diferentes conceitos e práticas de planejamento encontram-se intrinsecamente vinculados à categoria trabalho em suas múltiplas configurações e às diferentes formações sociais. Nesse sentido, o planejar remete à própria evolução humana e o processo civilizatório.

    Unidade 3

    O plano é a formalização sistematizada e justificada de um conjunto de decisões tomadas, relativas à ação, envolvendo desse modo, uma discussão prévia sobre os fins e objetivos do planejamento. Não se apresenta como um documento rígido e absoluto, variando conforme os diferentes momentos do processo de planejar, envolvendo naturalmente desafios e contradições. Para que se constitua num instrumento eficiente de ação, precisa apresentar diretrizes claras, práticas e objetivas.

    Desenvolver o currículo e promover a aprendizagem envolve obrigatoriamente o planejamento. Apesar de que, na educação o improviso é importante e necessário, e deve acontecer enquanto uma exceção e não como regra. O planejamento deve constituir preocupação permanente do professor. O docente necessita ver seu objetivo como um momento de chegada e trabalhar as competências em função dele. Só desse modo o professor deixa de ser um simples executor e transforma-se em um profissional capaz de atribuir um sentido ao seu trabalho.

    Partes integrantes de um planejamento de ensino

    A primeira parte de um planejamento envolve o diagnóstico da realidade. Nesse momento, o professor tendo por referência o seu envolvimento com o espaço escolar e comunitário, deve perceber quais são as necessidades dos estudantes, da comunidade e do próprio ambiente escolar.

    A segunda parte o professor, atendendo ao diagnóstico, define os objetivos para que se alcance a aprendizagem pretendida. Na fase da seleção dos conteúdos o professor deverá relacionar o que ensinar e quando ensinar.

    Na posse dos conteúdos anteriormente selecionados e considerando os objetivos, o professor deverá apresentar os procedimentos pedagógicos a utilizar. No momento da escolha dos recursos didáticos, o docente seleciona os recursos (vídeo, computador, data show, etc.) que serão utilizados.

    Ao passo da estruturação do plano de ensino, o professor especifica e prevê a sua operacionalização, apresentando as ações e procedimentos que irá realizar na sala de aula e os materiais que se pretende usar.

    Na avaliação o professor estabelece as diversas formas como mensurará o aprendizado dos estudantes. Isso pode ocorrer por intermédio de provas escritas e orais ou envolver a experimentação. O feedback ou retroalimentação pode vir dos estudantes, de outros professores, da comunidade ou mesmo ser oriundo da sociedade em geral.

    Quando o professor realiza uma autoavaliação e percebe que o caminho seguido não alcançou o resultado pretendido, é fundamental que aconteça o replanejamento. Por seu intermédio se reinicia o processo, procurando atender às necessidades de aprendizagem dos estudantes.

    Tipos de planejamento

    O planejamento possibilita e permite à escola e ao professor, organizar antecipadamente a ação didática, possibilitando atender mais facilmente aos objetivos desejados, superar as dificuldades, evitar a improvisação, aumentar a economia de tempo e eficiência na ação. No âmbito da educação é possível encontrar vários tipos de planejamento:

    Unidade 3

    O planejamento do sistema educacional em nível nacional, estadual ou municipal, vem refletindo a política de educação adotada. Ele deve ser executado por toda a equipe da instituição de ensino, abarcando a tomada de decisões no que diz respeito aos objetivos a serem alcançados e a previsão de ações desenvolvidas pela escola. Está relacionado à previsão por todos aqueles que participam do processo pedagógico da escola.

    O planejamento curricular integra o desenvolvimento dos conteúdos programáticos previstos nos diversos componentes curriculares a serem desenvolvidos ao longo do curso. Enquanto que o planejamento didático ou de ensino envolve a especificação e a operacionalização do plano curricular e prevê as ações que o professor irá realizar tendo em vista atingir os objetivos educacionais estabelecidos, envolve a organização das atividades dos estudantes e as suas experiências de aprendizagem.

    Saiba mais

    Saiba mais
    1. O planejamento de curso é a previsão do trabalho docente e discente durante um período de tempo. Nele, o professor prevê os conhecimentos a serem construídos e as atividades a serem realizadas pelos alunos, por exemplo, em um ano ou em um semestre letivo;
    2. O planejamento de uma unidade obriga o professor a reunir várias aulas sobre assuntos relacionados, estabelecendo entre cada uma delas inter-relações.
    3. O planejamento de aula é o momento em que o professor especifica e operacionaliza a sua atuação diária, de forma a concretizar os planos de curso e de unidade.

    Características de um bom plano de ensino

    Falar de um bom plano de ensino envolve encontrar nele incluídos: os objetivos que se pretende alcançar, os conteúdos selecionados e organizados de forma coerente com as especificidades do curso e as características e expectativas dos estudantes, bem quanto a estreita articulação com as áreas ou disciplinas afins. Contudo é preciso ir mais além e considerar a necessidade do plano:

  • Apresentar os objetivos passíveis de serem executados;
  • Utilizar recursos que favorecem a sua execução;
  • Propor conteúdos que permitam alcançar os objetivos propostos;
  • Atribuir às atividades, tempo que permita o desenvolvimento e aprendizagem dos conteúdos, em seus diversos níveis de complexidade.
  • A definição de objetivos de aprendizagem

    Os professores necessitam definir objetivos, o mesmo é dizer, prever desde o princípio o que o estudante será capaz de realizar ao final do processo de ensino-aprendizagem. Se não definir os objetivos, não poderá avaliar de maneira coerente os frutos de sua atividade de ensino e será complexo selecionar e voltar a planejar estratégias de ensino mais ajustadas.

    Quando reveladas as grandes metas educacionais, que correspondem a uma formulação ampla, a escola e o professor deverão explicitar os objetivos, relativo às disciplinas e às unidades de estudo, envolvendo os conceitos básicos e as capacidades que demostrem maior importância. Atendendo a relevância em sua definição, devem ser ponderados alguns pormenores tais como:

    Unidade 3

  • As grandes metas educacionais;
  • A característica de cada disciplina;
  • O nível etário dos alunos;
  • O seu grau de aprendizagem anterior;
  • As condições de trabalho.
  • É fundamental que os objetivos sejam expressos em termos das mudanças que se deseja realizar, no desenrolar do processo ensinoaprendizagem dos estudantes. A objetividade e clareza de intencionalidade na construção desses objetivos de ensino, indicam que o professor deseja que o estudante aprenda, possibilitando uma avaliação coerente em relação aos objetivos definidos no plano de ensino.

    O primeiro passo na definição de objetivos consiste na relação de uma lista dos objetivos gerais, que apesar de possibilitar uma ideia concreta dos resultados da aprendizagem a serem atingidos, não indica os pormenores específicos que se desejam. Os objetivos gerais são amplos e devem ser formulados em termos de metas de ensino. Por isso há necessidade de elaborar objetivos específicos que se apresentam, em listas de comportamentos observáveis, que no seu todo constituem a comprovação de que o objetivo geral foi atingido. O número dos objetivos a incluir na lista, deve possibilitar que ela seja praticável.

    As taxonomias possibilitam uma fácil fonte de seleção de objetivos educacionais e consistem num conjunto de categorias gerais e específicas na qual estão incluídas todas as possíveis metas de aprendizagem que se podem alcançar no ensino. Elas surgiram atendendo à necessidade de sistematizar e clarificar a atividade de definição dos objetivos educacionais.

    Dentre as taxonomias existentes a de Bloom (1956) é uma das mais vulgarizadas. Nessa, os objetivos são divididos pelos três domínios psicológicos: cognitivo, aditivo e psicomotor.

    O domínio cognitivo enfatiza objetivos que se referem à memória ou evocação de conhecimentos e ao desenvolvimento de habilidades e capacidades técnicas de ordem intelectual.

    De acordo com a taxonomia dos objetivos educacionais de Bloom, o domínio cognitivo encontra-se dividido em seis categorias organizadas em função da complexidade dos processos mentais: recordação, compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação.

    Unidade 3

    Principais categoriais do domínio cognitivo da taxonomia de objetivos educacionais de Bloom:

    MEMORIZAÇÃO A memorização é o mais baixo nível das metas de aprendizagem no domínio cognitivo. Exige somente o relembrar do que foi previamente aprendido.
    COMPREENSÃO A compreensão envolve a capacidade de compreender o significado do que foi aprendido. Manifesta-se pelo estabelecer de correspondências, interpretação, previsão de consequências futuras, apesar de marcar um passo em frente ao nível de memorização, corresponde ao nível mais baixo da compreensão.
    APLICAÇÃO A aplicação diz respeito à capacidade de aplicação das aprendizagens realizadas a novas e concretas situações. Isto inclui a aplicação de regras, métodos, princípios. Conceitos, leis e teorias. As metas de aprendizagem neste domínio requerem um nível de compreensão mais elevado que as do nível anterior.
    ANÁLISE A análise refere-se à capacidade de desagregar o material nas suas partes constituintes para que a sua estrutura organizativa possa ser compreendida. Isto pode incluir a identificação dos componentes, a análise das relações entre estes e o reconhecimento dos princípios organizativos implícitos. As metas de aprendizagem, neste caso, representam um nível intelectual mais elevado do que os dois anteriores, porque requerem uma compreensão, quer do conteúdo, quer da forma estrutural do material.
    SÍNTESE A síntese é a capacidade de reunir os componentes de modo que se forme um novo conjunto. Isto pode envolver a produção de uma única comunicação (tema ou discurso), um plano de operações (um projeto de pesquisa) ou um conjunto de relações abstratas (um esquema para classificar a informação).
    As metas de aprendizagem, neste domínio, impelem a comportamentos criativos, com maior realce na formulação de novos padrões ou estruturas.
    AVALIAÇÃO A avaliação está ligada à capacidade de julgar o valor do material (exposição, novela, poema, relatório) para um determinado fim. Os juízos têm de ser baseados em critérios bem definidos. Estes podem ser internos (organização) e externos (relevância para o fim desejado) e o aluno pode determinar os critérios ou estes podem ser-lhe fornecidos. As metas de aprendizagem.
    Nesta área, são as mais altas na hierarquia do domínio cognitivo, porque contêm não só elementos de todas as outras categorias como juízos de valor conscientes, baseados em critérios claramente definidos.

    Unidade 3

    Exemplo de verbos utilizados para definir os objetivos em cada uma das categorias:

    Recolher e recordar informação. Interpretar informação reconhecendo-a através de palavras próprias. Usar o conhecimento ou a generalização em novas ilusões. Dividir o conhecimento em partes e mostrar as relações entre elas. Juntar ou unir partes ou fragmentos de conhecimento para formar a todos e construir novas relações e situações. Fazer juízos com base em critérios fornecidos.
    Organizar, Definir, Duplicar Rotular, Enumerar, Par, Memorizar, Nomear, Ordenar, Reconhecer, Relacionar, Recordar, Repetir, Reproduzir. Classificar, Descrever, Discutir, Expressar, Identificar, Indicar, Reconhecer, Reportar, Renunciar, Rever, Selecionar, Ordenar, Traduzir. Aplicar, Demonstrar, Dramatizar, Empregar, Ilustrar, Interpretar, Operar, Preparar, Praticar, Programar, Esboçar, Solucionar, Utilizar Analisar, Valores, Calcular, Categorizar, Criticar, Diagramar, Diferenciar, Discriminar, Examinar, Experimentar, Inventariar, Questionar, Examinar. Organizar, Assemblar, Colecionar, Compor, Construir, Desenhar, Formular, Administrar, Organizar, Planear, Gráficos, Sintetizar, Redigir. Valorar, Argumentar, Avaliar, Atacar, Ligar, Defender, Estimar, Julgar, Predizer, Qualificar, Pontuar, Selecionar, Apoiar.

    O domínio psicomotor enfatiza as habilidades muscular ou motora. Considerando os objetivos da aprendizagem estes, foram divididos em cinco níveis conforme o quadro abaixo:

    IMITAÇÃO O estudante perante uma ação observada esboça uma imitação dessa ação.
    MANIPULAÇÃO O discente é capaz de realizar uma ação de acordo com instruções e não apenas com base na observação. Começa a demonstrar habilidade para manipular instrumentos selecionados.
    PRECISÃO O estudante é capaz de reproduzir um ato, com um grau superior de exatidão e de eficiência.
    ARTICULAÇÃO O estudante coordena uma série de ações, por intermédio do estabelecimento de uma sequência apropriada.
    NATURALIZAÇÃO O aprendiz adquire competências que não possuía anteriormente.

    Unidade 3

    Veja:

    Exemplo de verbos utilizados para definir os objetivos em cada uma das categorias:

    Monta, constrói, calibra, modifica, limpa, conecta, compõe, cria, esboça, projeta, instala, desinstala, insere, remove, manipula, conserta, repara, pinta, aparafusa, fixa.

    O domínio afetivo enfatiza os objetivos de aprendizagem relacionados com valores e atitudes. Considerando os objetivos de aprendizagem, o domínio afetivo também está dividido em cinco níveis que serão descritos abaixo:

    RECEPÇÃO O aluno se apercebe da existência de um dado valor apresentado. Dirige a sua atenção para ele de modo seletivo e intencional. Todavia os alunos assumem uma postura passiva em relação a ele.
    RESPOSTA Presume uma ação por parte do estudante considerando um determinado valor ensinado. Esta ação vai desde a simples obediência a determinações explícitas, até à iniciativa na qual se possa observar alguma expressão de satisfação por parte do estudante.
    VALORIZAÇÃO O valor ensinado foi internalizado pelo aprendiz. Distingue-se do nível de resposta, pela consistência (não são esporádicos), persistência (prolongam-se para além do período em que são ensinados) e pela persuação (o aluno procura convencer outras pessoas da importância do valor).
    ORGANIZAÇÃO O estudante reinterpreta o valor ensinado à luz de outros valores análogos ou antagónicos, ao valor original. Analisa de diferentes ângulos, compara-o a valores concorrentes.
    CARACTERIZAÇÃO DE UM VALOR COMPLEXO O processo de internalização atinge o ponto em que o estudante passa a ser identificado pela sua comunidade como um símbolo ou representante do valor que ele incorporou.

    Unidade 3

    Veja:

    Exemplo de verbos utilizados para definir os objetivos em cada uma das categorias:


    NÍVEL VERBOS ASSOCIADOS
    RECEBER Ouvir, atender, preferir, aceitar, receber, perceber, estar, favorecer, selecionar.
    VALORIZAR Aceitar, reconhecer, participar, incrementar, desenvolver, realizar, indicar, decidir, influenciar.
    CARACTERIZAR Revisar, modificar, enfrentar, aceitar, julgar, desenvolver, demonstrar, identificar, decidir.
    RESPONDER Especificar, responder, completar, selecionar, listar, escrever, gravar, desenvolver, derivar.
    ORGANIZAR Organizar, julgar, relacionar, encontrar determinar, correlacionar, associar, formar, selecionar.

    A seleção de estratégias de ensino

    No processo de planejamento, após a formulação dos objetivos, surge a necessidade de conseguir maneiras de atingi-los. O desenvolvimento de estratégias de ensino pretende atender a essa necessidade.

    Antes de especificar a estratégia a desenvolver, é necessário definir linhas gerais de orientação, de maneira a constituir um fio condutor, que permita o professor escolher uma estratégia específica que obviamente será diferente, atendendo a fatores como: o tema do conteúdo em que se focaliza a aprendizagem, os estudantes a quem se dirigem as condições existentes e os materiais disponíveis. Essas estratégias não estão ainda concretizadas, correspondendo apenas a linhas gerais que orientarão o professor na seleção das atividades específicas para aprendizagem.

    A análise do quadro abaixo revela como a estratégia, ainda é encarada de modo muito geral e orienta o caminho a seguir para atingir os objetivos. Mostra a relação entre os objetivos e as estratégias a desenvolver para atingi-los, concretizada para o caso particular do objetivo geral: compreender o conceito X.

    OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1 .Explica o conceito X com palavras próprias.
    2. Identifica o conceito X implícito numa dada situação.
    3. Explica acontecimentos com base no conceito X.
    4. Faz inferências com base no conceito X.
    ESTRATÉGIA (LINHA ORIENTADORA) A partir de fatos (descobertos pelos alunos e/ou fornecidos pelo professor) orientar os estudantes a estabelecer relações entre eles de modo a apreenderem os conceitos a que esses fatos conduzem.
    Fomentar discussões que contribuam para que os estudantes possam: explicar conceitos com suas próprias palavras; identificar conceitos implícitos em determinadas situações; explicar acontecimentos com base em conceitos: fazer inferências; fazer previsões; etc.
    Quadro 1 – Apresentação das linhas orientadoras da estratégia de acordo com os objetivos.

    Unidade 3

    A análise do quadro põe, pois, em evidência a relação entre meios e fins. São os objetivos que vão estabelecer as estratégias. Se o objetivo for “executar experiências” a estratégia terá necessariamente de envolver uma atividade laboratorial. Em outros casos a relação não é tão direta, isto é, várias estratégias permitem alcançar o mesmo objetivo; assim, o “compreender o conceito X” pode ser atingido através de uma atividade de laboratório, de uma discussão baseada em filmes, apresentação em PowerPoint ou outras, podendo mesmo acontecer que várias estratégias possam ser utilizadas simultaneamente. Por outro lado à mesma estratégia permite geralmente atingir mais que um objetivo. Assim, a atividade laboratorial é uma estratégia que permite não só alcançar o objetivo, mas executar experiências, formular problemas, interpretar resultados, ser objetivo, ser responsável, ter curiosidade, são alguns deles.

    Por outro lado, há ainda necessidade de definir, para cada um dos objetivos, o tipo de técnica e avaliação mais apropriado. Uma maneira de assegurar que os objetivos, as estratégias e as técnicas de avaliação estão inter-relacionados, é a preparação de um quadro que inclua os três.

    O quadro para uma unidade de ensino inclui todos os objetivos gerais, objetivos específicos, as estratégias e o tipo de técnicas de avaliação.

    Esse quadro possibilita ter uma visão geral que assegure mais facilmente a definição para cada objetivo, estratégia e técnica de avaliação adequada, servindo assim de orientação.

    OBJETIVOS ESTRATÉGIA (LINHA ORIENTADORA) TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO
    *Objetivo geral
    -Compreender conceitos, princípios e esquemas conceituais.
    *A partir de fatos (fornecidos pelo professor ou descobertos pelos alunos) orientar os alunos a estabelecer relações entre eles de modo a aprenderem os conceitos a que esses fatos conduzem. - Item de composição curta.
    *Objetivos específicos
    - Descrever o conceito por suas palavras.
    - Estabelecer a distinção entre dois conceitos. - Resolver problemas com base no conceito.
    - Inferir com base no conceito.
    - Explicar uma situação com base no conceito.
    * Fomentar discussões que favoreçam aos estudantes a fazer inferências, resolver problemas, explicar situações fazer previsões, com base no conceito envolvido. - Item de composição.
    Quadro 2 – Especificação da relação entre objetivos, estratégias e técnicas de avaliação.

    Unidade 3

    Uma vez especificado o conteúdo “compreender conceitos”, é necessário definir a estratégia de forma mais específica, indicando atividades concretas. O quadro abaixo procura tornar clara esta ideia.

    ESPECIFICAÇÃO DO CONTEÚDO ESPECIFICAÇÃO DA ESTRATÉGIA TEMPO PREVISTO RECURSOS PREVISTOS
    Conceito de solo
    Fatos:
    - O solo é constituído por matéria orgânica – proveniente da mata morta e por matéria inorgânica proveniente da decomposição das rochas.
    - O solo é constituído por diferentes camadas.
    - Os organismos macroscópicos do solo alimentam-se da mata morta.
    - Algumas partículas constituintes das camadas do solo são semelhantes aos materiais constituintes das rochas.
    - As rochas apresentam-se mais ou menos desagregadas.
    - A mata morta é constituída por resíduos de seres vivos.
    * Aula de campo para recolher dados sobre:
    - elementos vivos e não vivos;
    - relação entre os elementos vivos e não vivos;
    - relações entre o solo e o exterior.
    * Organização de relatório da aula de campo.
    * Discussão centrada em torno dos dados recolhidos na aula de campo.
    Aula 1
    Aula 2
    Aula 3
    Ficha de trabalho, Papel madeira e pinceis atômicos.
    Fonte: Quadro 3 – Apresentação da estratégia de acordo com um conteúdo específico. Note que enquanto o primeiro quadro pode ser igual para qualquer conceito em qualquer unidade, este quadro é específico de um determinado conceito numa unidade.

    Uma análise breve do quadro acima mostra que nele já são apresentados o conceito cuja compreensão se pretende alcançar, assim como as principais estratégias que através da sua inter-relação favorece o conhecimento dos fatos, permitindo atingir a compreensão dos conceitos.

    Veja que a estratégia selecionada não permitiu apenas chegar à compreensão do conceito (conceito de solo). Conduziu previamente ao conhecimento dos fatos. Foi com a discussão que inter-relacionaram esses fatos, que chegaram assim à compreensão do conceito (de acordo com o que havia sido definido pela linha orientadora).

    Unidade 3

    Relação entre categorias de objetivos e exemplos de estratégias

    Existem diversas categorias de objetivos que abrangem áreas distintas do processo de aprendizagem e tem reflexos nas estratégias do professor na sala de aula. Conheça no quadro abaixo (MASETTO, 1997) as diversas categorias de objetivos e exemplos de técnicas que o professor poderá utilizar na sala de aula para trabalhar.

    CATEGORIA DE OBJETIVOS ESTRATÉGIAS
    Aquisição de conhecimentos adquiridos pelos estudantes (informações, fato, conceitos, teorias, interpretações, análises, estudos, hipóteses, pesquisas). Leitura de textos. Leitura com roteiro de questões. Aulas expositivas com recursos audiovisuais; Aulas expositivas dialogadas; Visitas guiadas; Estudos de caso.
    Objetivos de habilidades relacionados com tudo aquilo que o estudante vai aprender a fazer desenvolvendo suas capacidades intelectuais, afetivas, psicomotoras, sociais e políticas, como por exemplo: relacionar informações, inferir, abstrair, identificar características, transferir informações, avaliar, comparar fatos e teorias, descobrir, experimentar, criar, organizar trabalhos, coordenar seus movimentos, trabalhar em equipe, fundamentar suas opiniões, questionar, ser participante. Dramatização, desempenho de papéis (representação estática ou dinâmica). Atividades em grupos tais como:
    Grupo de observação/grupo de verbalização.
    Pequenos grupos para formular questões.
    Grupos de oposição.
    Aulas práticas.
    Desenvolvimento de atitudes visando comportamentos que indiquem valoração, importância e crença, tais como valorizar a busca de informações, a curiosidade científica, a convivência com os colegas, a criatividade, a integração de conhecimentos. O trabalho em equipe, a comunicação, a corresponsabilidade pela aprendizagem, a capacidade crítica. Estudo de caso.
    Relatórios com opiniões fundamentadas.
    Estágios. Visitas guiadas. Dramatização.
    Fonte: MASETTO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. São Paulo: FTD, 1997.

    Avaliação da Aprendizagem

    4

    Conhecimentos

  • Compreender os princípios da avaliação como um processo vinculado ao ato de ensinar e aprender.
  • Habilidades

  • Identificar o processo avaliativo no ato de ensinar e aprender.
  • Atitudes

  • Manter uma postura de avaliação permanente envolvendo toda a comunidade escolar no processo de avaliação.
  • Unidade 4

    Introdução

    O ato de avaliar não é neutro, pois está alicerçado em opções filosóficas-políticas determinantes de uma ação, nesse sentido, destacamos o ser humano como um individuo que avalia em todos os instantes da vida. A avaliação é um construtor social e, portanto, há um contrato ideológico e político no cerne do ato de avaliar. Ela aparece inerente e indissociável a educação promotora da liberdade, pelos ideais de trasnformar e libertar, quando concebida como problematização, questionamento e pensamento sobre a ação. Avaliar deve criar possibilidades para o estudante compreender os seus limites na construção do conhecimento, valorizando suas verdades, interesses e autonomia.

    A avaliação enquanto espaço de aprendizagem

    Redefinir os processos de avaliação da aprendizagem é uma necessidade inerente ao espaço escolar e alvo de múltiplas discussões. É necessário desconstruir essa concepção de avaliar, baseada essencialmente na quantificação dos resultados, na aplicabilidade das provas e atribuição de notas por outros elementos que podem tornar o ato avaliativo mais compreensivo e produtivo para educadores e educandos. Isso poderá ocorrer quando a avaliação não acontecer em momentos isolados da prática pedagógica e envolver todo o processo educativo, incluindo o planejamento, a correção das atividades e até a própria avaliação institucional do curso. Quando a escola e o professor não consideram o processo, ocorre uma quebra na descontextualização do processo avaliativo e perde-se o olhar sobre o retorno que a prática pedagógica tem produzido nos estudantes. Exige-se hoje que o ato de avaliar ocorra no processo e não apenas ao final de um resultado.

    As mudanças essenciais em avaliação dizem respeito, em primeiro plano, não à mudança de procedimentos avaliativos, mas sim à finalidade desses procedimentos. (HOFFMANN, 2001). Assim, a avaliação deve ser pensada no âmbito de uma didática. Nessa perspectiva, cabe ao professor integrar a avaliação à sua pratica didática através de uma nova proposta que implique necessariamente na modificação dessas práticas, ou seja, o professor deverá compreender que o progresso do estudante só poderá ser percebido quando comparado com ele mesmo: Como estava? Como está? As ações desenvolvidas entre as duas questões compõem a avaliação. (HADJI, 2001).

    O princípio da avaliação deve incluir, que o conhecimento humano visa sempre o futuro, tende a evoluir e se superar. Assim, procura não apenas compreender, mas promover ações em benefício dos educandos e das escolas. (HOFFMANN, 2001).

    A aprendizagem do estudante deve se constituir, de uma observação permanente das suas manifestações durante a aprendizagem, de modo a otimizar as dificuldades individuais, e valorizar suas possibilidades enquanto aprendente.

    Vale a pena ressaltar as afirmações de Hoffmann (2001, p. 21) quando diz:

    O princípio da avaliação na visão dialética do conhecimento, implica o princípio de historicidade, o conhecimento humano visa sempre ao futuro, evolui e se supera. Assim, destina-se a avaliação mediadora a conhecer, não apenas para compreender, mas para promover ações em beneficio dos educandos, às escolas , às universidades.

    (No inciso V alínea e) do artigo 24 A lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) de 1996 recomenda flexibilidade nos assuntos sobre a avaliação no âmbito escolar. Essa flexibilidade envolve a contínua prevalência dos aspectos de qualidade sobre os de quantidade, sobretudo na aplicação dos resultados das provas finais.

    Unidade 4

    Art. 24. A educação básica, nos níveis fundamental e médio, será organizada de acordo com as seguintes regras comuns: [...] V - a verificação do rendimento escolar observará os seguintes critérios: a) avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais; b) possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar; c) possibilidade de avanço nos cursos e nas séries mediante verificação do aprendizado; d) aproveitamento de estudos concluídos com êxito; e) obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em seus regimentos (BRASIL, 1996).

    As práticas de averiguação devem, partindo da ideia que a realidade da avaliação não satisfaz, adotar uma postura sustentada na ação–reflexão-ação, coletiva e consensual, e também na construção de uma consciência critica e de responsabilidade de todos envolvidos no cotidiano da escola, onde o processo ocorre.

    Para mudar contextos avaliativos, é necessário adotar práticas diferenciadas, tais como: a observação e o portfólio.

    A observação empregada no processo de verificação de conteúdos, permite ao docente investigar as características individuais no âmbito das suas atividades individuais ou contato interativo com o grupo da sala de aula. Dessa forma, é possível perceber e identificar fatores que potencializam ou dificultam o trabalho pedagógico. Porém a observação é por vezes condicionada por fatores que ultrapassam a própria dinâmica e percepção do professor, a começar pela sua própria subjetividade. Nesse sentido, o professor deverá assumir uma atitude criteriosa, tirando conclusões apenas quando observar os estudantes em situações diversificadas, de modo a conseguir avaliar de maneira fundamentada e não apenas uma opinião superficial sobre o aluno.

    A observação pode ser um instrumento importante de avaliação, desde que o professor tenha cuidados ao utilizá-la, tais como:

    • Oportunizar as condições para que possa gerir o seu tempo em interação avaliativa com os estudantes e não somente colocando simples perguntas;
    • Anotar os incidentes, ou seja, acontecimentos interessantes e significativos assim que ocorram.
    • Planejar o que será observado, por exemplo, um determinado estudante, um determinado momento, um trabalho na sala de aula.
    • Definir objetivos possíveis de ser alcançados e realísticos para a observação, atendendo, por exemplo, a quantidade de observados, as características, o momento da observação e o período de duração da mesma.
    • Organizar as observações em um caderno de registro que deverá estar sempre à mão.

    O portfólio como instrumento de avaliação

    O portfólio consiste numa pasta na qual são arquivados os trabalhos desenvolvidos pelos estudantes ao longo do seu processo de aprendizagem. Os trabalhos incluídos no portfólio serão selecionados pelos estudantes entre os que eles entendam como atividades mais relevantes após um processo de análise crítica e devida fundamentação. Nesse aspecto, vale salientar que não é o portfólio em si o mais importante, mas o trabalho de reconstruir e reelaborar os conhecimentos construídos que ele oportuniza. Ele constitui um meio para atingir um fim, o mesmo é dizer, o destaque no portfólio é o aprendizado adquirido durante a sua construção. O portfólio possibilita criar um percurso histórico do aprendizado de um estudante ou de um grupo e esse registro revela o resultado do percurso dessa aprendizagem no decorrer do trabalho pedagógico. O portfólio como é óbvio, também é um instrumento de avaliação da própria atuação do professor.

    Unidade 4

    Fique atento!

    A avaliação trabalha com desempenhos provisórios ou processuais, na medida em que ela subsidia o processo de busca dos resultados os melhores possíveis. Debruça-se sobre o que estava acontecendo com o estudante antes, o que está acontecendo agora e o que acontecerá após, pois a avaliação da aprendizagem está a serviço de um projeto pedagógico construtivo, que visualiza o ser humano em desenvolvimento permanente. Um verdadeiro processo de avaliação, não atribui atenção à aprovação ou à reprovação do estudante, mas sim à sua aprendizagem, possibilitando um convite para a sua melhoria.

    Consequentemente, ela se apresenta como inclusiva, enquanto não descarta, mas inclui. Considerando as relações pedagógicas, a avaliação exige uma postura democrática do sistema de ensino e do professor uma atuação em conformidade com esses princípios de todos os condicionantes do ensino-aprendizagem. Estas palavras foram proferidas em entrevista de Cipriano Carlos Luckesi publicada no caderno do Colégio Uirapuru, Sorocaba – SP em outubro de 2005.

    Guia de Estudo

    Guia de Estudo

    Realize a leitura da Entrevista de Cipriano Carlos Luckesi, em seguida colabore com seus colegas sobre o assunto no Ambiente Virtual de Aprendizagem, através do Fórum de Conteúdo. Não se esqueça de enfatizar a importância da avaliação, e suas contribuições para o desenvolvimento da aprendizagem.

    Explicando melhor com a pesquisa

    As ações docentes conservadoras concentram-se na reprodução do conhecimento. É necessário trabalhar subsídios metodológicos para que ultrapassasse esse paradigma, com características cartesianas que desencadeie um processo de posicionamento crítico face à docência. Esse paradigma emergente deverá envolver uma associação entre uma abordagem progressista com uma visão holística, Holismo, que pode ser conceituado como um modo de pensar, ou considerar a realidade, segundo o qual nada pode ser explicado, com ordenação de ideias, mas pelas relações que mantem de si e do todo, com ensino e pesquisa. Essas abordagens se interceptam e têm como subsídios essenciais a transformação da realidade. Esta é uma das interpretações da pesquisadora Marilda Aparecida Behrens que resultou o artigo: “A prática pedagógica e o desafio do paradigma emergente”.

    O estudo contribuiu com uma pesquisa abrangente e faz uma reflexão individual e coletiva dos docentes, sobre como ultrapassar a reprodução do conhecimento e desencadear um posicionamento crítico sobre o ato de ensinar além de conduzir à construção de um paradigma inovador na sala de aula, que se proponha a trabalhar com novas posturas importando na possibilidade de práticas avaliativas mais humanizadas e menos angustiantes nas salas de aula.

    Planejar é uma ação política de interação e linguagem e comunicação visando à tomada de decisões num determinado espaço social, institucionalizado ou não, destinado à projeção, programação, elaboração de roteiros, planos ou estratégias de ação cuja finalidade é atingir determinados objetivos, evitando, ao máximo, qualquer tipo de improvisação. (PALAFOX, 2004).

    Propomos a leitura do artigo: Planejamento coletivo do trabalho pedagógico da Educação Física, em que procura identificar os principais elementos constitutivos das abordagens de planejamento educacional que têm sido adotadas pela área da educação física.

    Guia de Estudo

    Os artigos indicados para pesquisa são fundamentais para que possa perceber a importância das ações pedagógicas em prol da educação e do ensino. Para tanto, sugerimos que elabore uma pesquisa, leia e resenhe tais artigos, descrevendo a sistemática de planejamento coletivo do trabalho pedagógico desenvolvido nestas duas contribuições.

    Excelentes estudos!

    Leitura Obrigatória

    Caro estudante,

    A avaliação deverá ser considerada não somente enquanto processo ou procedimento para aferir o quanto os estudantes aprenderam, mas como constituinte indispensável para o docente verificar sua prática e melhorar suas estratégias metodológicas em sala de aula. É assim um elemento de mão dupla na educação. Essa preocupação é expressa por Santiago Castillo Arredondo e Jesús Cabrerizo Diago, na obra: “Avaliação educacional e promoção escolar”. A propósito da avaliação, os autores vão mais longe, ao revelar que enquanto no passado a qualidade da escola era associada à reprovação, atualmente a escola deve repensar esse modelo e focar seu trabalho no desenvolvimento cognitivo do aluno. Nesse sentido, a obra propõe que a avaliação educacional deva se ocupar do estudante, considerando as suas aprendizagens e, ao mesmo tempo, levar em conta suas circunstâncias pessoais, como valores, atitudes, cultura, gênero, vivência social e possibilidades de aprendizagem. Santiago Castillo Arredondo também publicou no Brasil a obra: “Práticas de avaliação educacional: materiais e instrumentos”, para além de outras em castelhano.

    Também indicamos a você:

    Uma discussão ampla e envolvente em torno da didática com particular importância num momento em que são questionados alguns pormenores associados ao ensino e aprendizagem, tais como: o papel exercido pela educação na sociedade, a função do professor, a dinâmica em relação à dicotomia teoria-prática, isto no domínio da organização escolar. A obra: “Rumo a uma nova Didática” da autora Vera Maria Candau nos remete considerar o componente mediador entre práxis social e o que acontece no interior da escola, a posição pedagógica da sala de aula envolvendo diretamente professores e estudantes e a narrativa de vida cada educando no cotidiano escolar. O debate sobre estas questões, associadas à prática pedagógica enquanto objeto da didática, são aprofundadas nesta obra, cuja leitura se recomenda.

    Pesquisando com a Internet

    A pedagogia deve considerar o saber popular, sem desprezar o saber erudito, ponderando, contudo, sobre a dominação burguesa em relação ao aparelho escolar. A escola é um espaço de contradições, partilhado por diversas orientações pedagógicas, cuja convivência nem sempre é harmoniosa. O docente que desejar se constituir enquanto um agente de transformação deverá assumir um papel de colaborador no processo ensino-aprendizagem e de respeitador dos estudantes. Nesse processo os conteúdos curriculares deverão contemplar a vontade de saber dos estudantes. As afirmações anteriores foram interpretadas do texto de Paulo Ghiraldelli, em que o autor apresenta os principais passos da Evolução das ideias pedagógicas durante o período do Brasil Republicano, incluindo a evolução das tendências pedagógicas.

    Guia de Estudo

    Elabore uma pesquisa, sobre o texto de Paulo Ghiraldelli e transcreva as suas principais contribuições para a construção das ideias pedagógicas. Não se esqueça de compartilhar com seus colegas no Ambiente Virtual de Aprendizagem através do Fórum de Conteúdo.

    Saiba Mais

    A necessidade de desenvolver competências nos alunos surge enquanto forma de preparar as pessoas para a nova realidade social e do trabalho. Para Perrenoud (2000) quando se procura saber o motivo porque se leciona isto ou aquilo, a justificativa é geralmente baseada na necessidade de manter a sequencia do curso, ou seja, o estudante aprende a contar para resolver problemas, aprende gramática para escrever um texto. Quando se procura estabelecer uma ligação entre o que se ensina e a vida, a abordagem é realizada numa forma abrangente, afirmando-se que se aprende para se tornar um cidadão ou para conseguir ter um bom trabalho. Contudo, a transferência e a mobilização dos conhecimentos obrigam a um trabalho de treino que exige tempo, etapas didáticas e situações apropriadas.

    Estas ideias resumem de maneira ampla, a Entrevista que Philippe Perrenoud concedeu à Revista Nova Escola. A partir das afirmações do autor, levanta-se um questionamento sobre o contexto atual escolar e suas características na relação entre o saber e o saber fazer.

    Guia de Estudo

    Leia com muita atenção a Entrevista de Philippe Perrenoud concedida a Revista Nova Escola, em seguida responda ao seguinte questionamento: Será que a didática é só técnica de ensino? Compartilhe suas ideias no Ambiente Virtual de Aprendizagem através de participação no Fórum.

    Vendo com os olhos de ver

    Caro (a) estudante,

    Propomos a visualização do vídeo onde Philippe Perrenoud, fala sobre a necessidade do conhecimento, ser construído e utilizado como ferramenta para promover a compreensão do mundo e agir sobre ele. Dessa forma, o papel mais relevante da escola não é transmitir conteúdos, mas desenvolver competências.

    Propomos também que assista ao vídeo:

    Assista ao vídeo: “Função da escola por Libâneo” para uma maior compreensão sobre qual a função social da escola. Não esqueça de compartilhar suas impressões no Ambiente Virtual de Aprendizagem através de participação no Fórum de Conteúdo.

    Guia de Estudo

    Após assistir aos vídeos, elabore um texto do tipo dissertativo enfocando qual o papel da escola e sua função social.

    Não esqueça de compartilhar suas ideias com seus colegas através da participação no Fórum.

    Excelentes estudos!

    Revisando

    A didática está associada ao processo de ensino e aprendizagem, envolvendo os papéis de professores e estudantes que precisam ser permanentemente analisados e reavaliados no âmbito da prática pedagógica. Contudo, o conceito de didática é uma construção que vem sendo ressignificada ao longo dos tempos a partir de diversos referenciais teóricos.

    A didática como recurso didático-pedagógico estruturante da sala de aula ainda enfrenta um grande desafio em pleno século XXI ao se constituir enquanto suporte adequado à aprendizagem. A sociedade exige da educação a produção de conhecimento em espaços alargados de aprendizagem participativa, envolvente e igualitária. Resta a necessidade de reinventar o pensar.

    Diariamente o professor enfrenta o desafio de responder a questões tais como: Como fazer? Que procedimentos utilizar para facilitar a construção de competências? Que situações didáticas de ensino-aprendizagem deverá desenvolver? O docente não deverá esquecer-se de pensar em situações que incitem o estudante à reflexão, por meio de uma metodologia de ensino que promova a aprendizagem significativa do estudante.

    Vimos nesse módulo, informações valiosas e estudos sobre o planejamento escolar que deve ser prioridade da aula enquanto espaço dialógico de construção de competências significativas. Essa percepção é condição primordial para o trabalho do professor, procurando a formação de cidadãos críticos e conscientes do papel da educação enquanto instrumento de transformação social. O planejamento é um processo amplo que envolve vários momentos.

    O Projeto Político-pedagógico da escola articula-se ao planejamento dos docentes, o qual deverá ser elaborado atendendo ao perfil da escola e com as exigências dos estudantes.

    E por último, discutimos os principais aspectos da avaliação escolar, onde vimos que sua função nuclear da avaliação é ajudar o estudante a aprender e o professor a ensinar. Também, encontra-se no fato do estudante poder tomar conhecimento de seus avanços e dificuldades, seus limites e possibilidades. Cabe ao professor desafiá-lo a superar as dificuldades e continuar progredindo na construção dos conhecimentos. Para não ser autoritária e conservadora, deverá ser o instrumento dialético e de identificação de novos rumos. A redefinição do processo de avaliação é uma necessidade fundamental para romper com a avaliação quantitativa e desconstruir a concepção de avaliação enquanto quantificação de resultados. Isso só é possível à construção coletiva de uma prática pedagógica comprometida com a inclusão e com a pluralidade.

    Bibliografia

    ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação. São Paulo: Moderna, 2002.

    ARREDONDO, S.C. e DIAGO, J.C. Avaliação Educacional e Promoção Escolar. São Paulo: Unesp, 2009.

    ALVES, Rubem; DIMENSTEIN, Gilberto. Fomos maus alunos. São Paulo: Papirus, 2003.

    BEHRENS, Marilda Aparecida. A prática pedagógica e o desafio do paradigma emergente. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 80, n. 196, Brasília: 1999. p. 383-403.

    BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégia de ensino-aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1991.

    _____________Alguns fatores pedagógicos. In: Capacitação em Desenvolvimento de Recursos Humanos- CADRHU (J. P. Santana & J. L. Castro, org.), p. 261-268, Natal: 1999 Ministério da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde/ Editora da UFRN.

    BLOOM, B. S. et al. Taxonomy of educational objectives. New York: David Mckay, 1956. 262 p. (v. 1)

    BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília : MEC, 1996.

    BRASIL. Os saberes dos professores: ponto de partida para a formação contínua. Ministério da educação. TV Escola - Salto para o Futuro. Brasília: sd.

    CARVALHO, Irene Mello. O processo didático. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1973.

    CAMPOS, Angelo Mariano Nunes. A prática de ensino dos docentes do curso de turismo do CEFET/PA: Uma análise centrada na metodologia do ensino. In Revista Urutágua. v. nº 09, 2006.

    CASARA, Marques. A arte de planejar. In Nova Escola, São Paulo: Abril, n. 138, p. 20-32, DEZ/2000.

    CASTILLO ARREDONDO, S.; DIAGO, Jesús C. Práticas de avaliação educacional: materiais e instrumentos. São Paulo: Unesp, 2009.

    CORDEIRO, Jaime Cordeiro. Didática. São Paulo: Contexto. 2005

    COMENIUS, Johann Amòs; GOMES, Joaquim Ferreira. Didáctica magna: tratado da arte universal de ensinar tudo a todos. 1966.

    FREIRE, Paulo, Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

    _________________Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997

    FAZENDA, Ivani, Catarina Arantes. (Org.). Didática e Interdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 2005.

    GATTI, Bernardete Angelina. Reflexões sobre questões metodológicas e práticas em pesquisas em educação in Revista Digital do Paideia Volume 2, Número 2, Outubro de 2010 – Março de 2011.

    HADJI, C. Avaliação demistificada. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

    HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação. 2001.

    KILPATRICK, W. H. Educação para uma civilização em mudança. São Paulo: Melhoramentos, 1974.

    LAENG, Mauro. Dicionário de Pedagogia. Lisboa: Dom Quixote, 1973. p. 128

    LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1986.

    _____________. Didática. São Paulo: Editora Cortez, 1994.

    _____________. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2004. 104 p.

    _____________. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013. 288 p.

    LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994.

    MASETTO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. São Paulo: FTD, 1997.

    PATRÍCIO, Patrícia. São Deuses os Professores? Campinas, SP: Papirus, 2005.

    PERRENOUD, Philippe. Construindo competências. In Nova Escola, Brasília: v. 15, n. 135, p. 19-21, set.2000.

    ____________. Philippe. As práticas pedagógicas mudam e de que maneira? In Revista Impressão Pedagógica. n° 23, Julho/Agosto, Curitiba: 2001. p. 14-15.

    PALAFOX, Gabriel Humberto Munoz. Planejamento Coletivo do Trabalho Pedagógico da Educação Física - PCTP/EF como sistemática de formação continuada de professores: a experiência de Uberlândia. In Em foco. v. 10, nº 1. Porto Alegre: 2004.

    PILETTI, Claudino. Didática Geral. São Paulo: Ática, 2002

    PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria e prática. São Paulo: Cortez, 1997.

    SAVIANE, D. Escola e Democracia. São Paulo: Cortez, 1985.

    VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Coord.). Repensando a Didática. Campinas: Papirus. 2005.

    Bibliografia Web

    BEHRENS, Marilda Aparecida. Artigo: A prática pedagógica e o desafio do paradigma emergente. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 80, n. 196, p. 383-403, set./dez. 1999. Disponível em: file:///C:/Users/aurea.galdino/Downloads/977-1034-1-PB%20(1).pdf Acesso em: 25/04/2016.

    GHIRALDELLI, Paulo. A evolução das ideias pedagógicas no Brasil Republicano. Cadernos de pesquisa. 60:28-37, fev/1987. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001628.pdf> Acesso em 23/08/2013.

    LIBANEO, José Carlos. Didática: Novos e velhos temas. Goiania, 2002. Disponível em: http://www.luciavasconcelos.com.br/novo/professor/index2.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=1464&Itemid=31. Acesso em: 18/04/2016.

    LIMA, Eunice Tavares Silveira; OLIVEIRA, Maria de Fátima Silva. A importância do planejamento no cotidiano escolar. In XXV Congresso de Educação do Sudoeste Goiano. UFG: Goiânia. 2010. Disponível em: < http://revistas.jatai.ufg.br/index.php/acp/article/view/729> Acesso em 23/08/2011.

    SILVA , Délcio Barros da . Artigo: As Principais Tendências Pedagógicas na Prática Escolar Brasileira e seus Pressupostos de Aprendizagem. - Universidade Federal de Santa Maria [online]. [citado 03 Maio 2011] Disponível na World Wide Web: http://www.ufsm.br/lec/01_00/DelcioL&C3.htm.

    ZACHARIAS, V. L. C. F. Dewey e a escola progressista. In: Nova Escola on line Edição 140, mar. 2001. Disponível em: http://www.centrorefeducacional.com.br/dewey.html. Acesso em 20 nov.

    videos

    José Carlos Libâneo no SINPRO – SP. Disponível em: https: https://www.youtube.com/watch?v=6kk__FXVwC0 (Duração de 1h e 52 minutos) Acesso em 22/04/2016.

    Philippe Perrenoud – Competências para ensinar – Oficial. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7Xuw1PuvsTk (Duração de 4 minutos e 24 segundos) Acesso em 22/04/2016.

    Créditos

    Diretor Presidente das Faculdades INTA

    • Dr. Oscar Rodrigues Júnior

    Pró-Diretor de Inovação Pedagógica

    • Prof. PHD Doutor João José Saraiva da Fonseca

    Coordenadora Pedagógica e de Avaliação

    • Profª. Sonia Henrique Pereira da Fonseca

    Professor conteudista

    • Prof. PHD Doutor João José Saraiva da Fonseca
    • Profª. Sonia Henrique Pereira da Fonseca

    Assessoria Pedagógica

    • Sonia Henrique Pereira da Fonseca
    • Evaneide Dourado Martins
    • Juliany Simplício Camelo
    • Maria Aúrea Galdino da Silva

    Design Instrucional

    • Sonia Henrique Pereira da Fonseca

    Revisora de Português

    • Neudiane Moreira Félix

    Revisora Crítica

    • Anaísa Alves de Moura

    Diagramador

    • José Edwalcyr Santos

    Diagramador Web

    • Luiz Henrique Barbosa Lima

    Analista de Tecnologia Educacional

    • Juliany Simplicio Camelo

    Produção Audiovisual

    Editor

    • Francisco Sidney Souza de Almeida

    Operador de Câmera/ Iluminador/Operador e áudio

    • José Antônio Castro Braga

    Núcleo de Tecnologia da Informação Faculdades INTA

    • Desenvolvimento de Material Didático para a EAD e Objetos de Aprendizagem para Ensino Presencial

    Avalie nosso material didático